Covid-19: Primeiras 9.750 vacinas chegam à Madeira no início de janeiro, diz Miguel Albuquerque

“Está prevista a chegada das primeiras vacinas à região, 9.750 vacinas, na primeira semana de janeiro, segundo uma previsão adiantada pela comissão nacional”, indicou Miguel Albuquerque numa videoconferência.

Cristina Bernardo

O presidente do Governo Regional da Madeira, Miguel Albuquerque, disse hoje que estão “garantidas todas as condições” para a chegada das primeiras 9.750 vacinas contra a covid-19 à região na primeira semana de janeiro.

“Está prevista a chegada das primeiras vacinas à região, 9.750 vacinas, na primeira semana de janeiro, segundo uma previsão adiantada pela comissão nacional”, indicou Miguel Albuquerque numa videoconferência.

O governante insular realçou que “a comissão coordenadora regional tem mantido o contacto com a equipa nacional e, neste momento, estão já garantidas todas as condições necessárias para o armazenamento, logística e administração das vacinas no contexto regional, nas ilhas da Madeira e Porto Santo”.

O responsável adiantou que os frigoríficos para guardar estas vacinas, que foram adquiridos pela região, “já desembarcaram e estão devidamente acondicionados”.

Miguel Albuquerque ainda salientou que o Plano Regional de Vacinação contra a covid-19 será publicamente apresentado na próxima quarta-feira.

Referindo-se à situação na Madeira, o governante alertou para o “grande risco” que a ilha atravessa com o desembarque de milhares de pessoas, entre estudantes e emigrantes, que vêm passar a quadra festiva.

Segundo o presidente do Governo Regional, nos últimos 20 dias chegaram à região “mais de 25.000 pessoas”, estando 19.621 pessoas sob vigilância através da aplicação Madeira Safe.

Por isso, alertou para a necessidade do “cumprimento escrupuloso” das medidas de proteção e das regras em vigor na região, sublinhando que “esta é a época em que é importante evitar alarmismos e não alimentar falsas informações [que surgem nas redes sociais] que em nada contribuem para o controlo da situação”.

Miguel Albuquerque vincou que, se individualmente as pessoas não tomarem “as necessárias cautelas” nos próximos dias, a Madeira vai “sofrer as consequências nas próximas semanas”.

“Ou seja, pagaremos muito caro em termos de saúde pública a nossa potencial irresponsabilidade”, alertou.

Admitindo que as pessoas estão “saturadas” desta situação que se arrasta há 10 meses, insistiu que a vacina já está “no horizonte próximo”, pelo que “não se pode deitar tudo a perder”.

O governante insistiu que a Madeira não tem cadeias de transmissão comunitária ativas, visto que “os serviços de saúde continuam a identificar, controlar e vigiar todas as cadeias de transmissão local”.

“Temos cerca de 48 cadeias de transmissão conhecidas e ativas e, destas, 33 com mais de dois casos conhecidos”, referiu.

Sobre a capacidade de camas nos hospitais, Albuquerque mencionou que, nas duas áreas autónomas dedicadas à covid no Hospital Dr. Nélio Mendonça, existe um total de 90 camas, das quais 30 estão ocupadas.

“Ambas estas áreas autónomas dedicadas à covid são passíveis de duplicar a capacidade em camas em 24 horas, se for necessário”, enfatizou.

O governante ainda destacou que, na primeira quinzena de janeiro de 2021, estará a funcionar “uma nova unidade por baixo do serviço de urgência, com 12 quartos individuais compressão negativa”.

De acordo com os últimos dados divulgados pela Direção Regional de Saúde, a Madeira registou no domingo 31 novos casos de covid-19, contabilizando 332 situações ativas e um total 1.221 infetados desde o início da pandemia, nove óbitos e 880 doentes curados.

Recomendadas

O excesso de peso da mochila pode ser prejudicial à saúde do seu filho

É importante redobrar os cuidados e repensar nos materiais a levar para a escola, já que a mochila com peso tem um forte impacto na postura da criança.

Madeira: ACIF participa na quinta reunião transnacional do projeto BLUE-TEC

O projeto visa promover o crescimento inteligente do turismo náutico e costeiro da Macaronésia.

PSD/Açores disponível para novo modelo de financiamento dos bombeiros

O deputado regional social-democrata Luís Soares considerou necessário “saber como funcionam os mecanismos de acesso aos fundos comunitários, mantendo uma porta direta pelos bombeiros, em vez das candidaturas serem elegíveis somente através das câmaras municipais”.
Comentários