Covid-19: Principal órgão de segurança da China quer “repressão” das “forças hostis”

O principal órgão de segurança da China apelou hoje à “repressão” das “forças hostis”, após os protestos dos últimos dias nas principais cidades chinesas contra as restrições sanitárias e limitações das liberdades individuais.

A Comissão de Assuntos Políticos e Jurídicos do Partido Comunista, no poder, entidade que supervisiona as autoridades policiais do país, disse ser “necessário reprimir as atividades de infiltração e sabotagem de forças hostis, de acordo com a lei”.

Esta posição consta das atas de uma reunião, divulgada pela agência de notícias estatal Xinhua.

O texto considera fundamental “reprimir resolutamente e de acordo com a lei ações criminosas que procuram quebrar a ordem social e proteger com determinação a estabilidade social”.

Em vigor há quase três anos, a política chinesa de ‘covid zero’ foi este fim de semana contestada em manifestações em várias cidades, no movimento de protesto mais generalizado desde as duras mobilizações pró-democracia reprimidas em 1989.

Um forte destacamento policial nas principais cidades do país, incluindo a capital que foi praticamente cercada, parece entretanto ter dissuadido os manifestantes desde segunda-feira, de acordo com jornalistas da AFP em Pequim e Xangai.

Ao abrigo da política de ‘zero casos’ de covid-19, a China impõe o bloqueio de bairros ou cidades inteiras, a realização constante de testes em massa e o isolamento de todos os casos positivos e respetivos contactos diretos em instalações designadas, muitas vezes em condições degradantes.

Recomendadas

Espanha prepara-se para anunciar fim do uso de máscaras nos transportes públicos

A proposta vai ser apresentada no Conselho de Ministros no dia 7 de fevereiro.

Fim súbito da política de ‘zero casos’ é desafio de credibilidade para Pequim, diz investigador

“Até para a propaganda do regime é desafiante construir uma narrativa coerente sobre o que está a acontecer”, descreveu Yanzhong Huang, que dirige a pesquisa em assuntos de saúde global no Conselho de Relações Externas, um centro de reflexão (‘think tank’) com sede em Nova Iorque.

Covid-19. Administração da ULS Baixo Alentejo vai ser julgada em Beja devido a vacinas

O julgamento envolve seis arguidos e está previsto começar em 13 de fevereiro, às 09:30, decorrendo no juízo local criminal do Tribunal de Beja, indicou hoje à agência Lusa fonte judicial.
Comentários