Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.

Os problemas de saúde mental aumentaram na Europa com a pandemia, uma evolução particularmente grave entre os jovens, que são hoje mais afetados pela depressão do que toda a população adulta.

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.

Segundo a organização, a proporção de jovens com sintomas de depressão passou a ser pelo menos 50% maior do que a generalidade da população e, em certos países, o dobro.

Por exemplo, segundo as estatísticas mais recentes disponíveis (de 2020 e 2021), na Noruega, os jovens com depressão aumentaram para 42,5 %, em comparação com 17,1 % para a população adulta; na Áustria, a percentagem chegou aos 41,3 % (23,7 % nos adultos) e na Suécia chegou aos 38,5 % (17,1 % nos adultos).

Em Espanha, 35% dos jovens tinham sinais de depressão, contra 22,5 % dos adultos; no Reino Unido a percentagem era de 30% nos jovens e 15% nos adultos; em Itália os jovens com depressão eram 24,2% e os adultos 14,4%), enquanto em França 20,1% dos jovens e 16,5% dos adultos tinham sintomas de depressão.

É assumido que os confinamentos e as restrições aos movimentos prejudicaram psicologicamente de uma forma desproporcional os jovens. Mas também pesou o declínio nos cuidados de saúde mental, que foi muito acentuado em 2020, o primeiro ano da pandemia, quando comparado com o ano de 2019.

A OCDE indica que mediu essa quebra nos hospitais, que foi modesta na Suíça (2%) ou em países nórdicos como a Noruega (6%) ou a Suécia (6%), mas muito mais acentuada em países como Espanha (12%), França (13%), Alemanha (14%), Portugal (21%), Itália (23%), Hungria (27%), Lituânia (27%) ou Polónia (28%).

 

Recomendadas

Pfizer regista um lucro anual em 2022 de 31,4 mil milhões de dólares

A farmacêutica registou aumentos nos lucros e nas receitas, mas espera que em 2023 haja uma quebra da faturação, devido à diminuição nas vendas de vacinas e medicamentos contra a Covid-19.

Reabertura “caótica” da China “difícil de digerir” para residentes em Shenzhen

O súbito fim da política de ‘zero casos’, sem anúncio antecipado ou preparação do sistema de saúde, deixou famílias a lutar pela sobrevivência dos membros mais idosos, à medida que uma vaga de infeções inundou os hospitais e crematórios do país.

Tribunal de Contas “atento” ao processo da Jornada Mundial da Juventude

O presidente do TdC precisou ser necessário deixar que o processo corra, acentuando que o Tribunal de Contas (TdC) “está atento [à JMJ] como está atento a outros processos que estão a correr” na sociedade.
Comentários