Covid-19. Relatório de monitorização indica que incidência apresenta tendência decrescente

O relatório de monitorização também indica que o número de novos casos de infeção por 100 mil habitantes revelou tendência decrescente.

O relatório de monitorização do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (INSA) com a Direção Geral de Saúde (DGS), divulgado esta sexta-feira, indica que a incidência apesar de se manter elevada tem tendência decrescente.

O mesmo relatório indica que “número de novos casos de infeção por SARS-CoV-2 por 100 000 habitantes, acumulado nos últimos 7 dias, foi de 207 casos, com tendência decrescente a nível nacional e em todas as regiões”.

Quanto à mortalidade específica, esta apresenta uma tendência decrescente. “A mortalidade por todas as causas encontra-se acima do limite superior do valor esperado para a época do ano, indicando um excesso de mortalidade por todas as causas”, aponta o INSA.

Relativamente ao número de pessoas com COVID-19 internadas em Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) no continente, revelou uma tendência estável, correspondendo a 18,8% (no período anterior em análise foi de 21,2%) do valor crítico definido de 255 camas ocupadas.

O relatório também aponta que a “razão entre o número de pessoas internadas e infetadas foi de 0,20, indicando uma menor gravidade da infeção, à semelhança do observado desde o início de 2022”.

Os dados mais recentes relativos à Covid-19 demonstram que Portugal registou 21.302 novos casos de Covid-19 e 66 mortes na semana entre 26 de julho e 1 de agosto.

 

 

Recomendadas

PR diz que, em regra, lei não permite uso de escusas de responsabilidade

O Presidente da República defende que, em regra, a lei não permite o uso das escusas de responsabilidade e que, em política, quando se tem razão, é muito importante saber explicar aos portugueses a razão que se tem.

Madeira: IASAÚDE reembolsou mais de 1,5 milhões de euros aos utentes no primeiro semestre do ano

Foram as despesas de saúde relacionadas com exames de radiologia as mais reembolsadas, representando 23% do valor total, enquanto as consultas médicas e a medicina dentária englobaram 17,1% e 16,8% dos reembolsos, respetivamente. 

Vírus transportado por musaranhos deixa doentes dezenas de pessoas na China

Não são conhecidas provas de que possa existir transmissão entre seres humanos, até porque, tanto quanto se sabe, os pacientes não tiveram contacto próximo, segundo revelaram os investigadores.
Comentários