Covid-19: Rio “muito preocupado” com falta de “controlo capaz” nas fronteiras portuguesas

No final de uma reunião com representantes sindicais e laborais do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Rui Rio confessou ter ficado “muito preocupado” com os relatos de situações que lhe foram feitos e que disse não querer reproduzir na totalidade em público.

O presidente do PSD, Rui Rio, afirmou hoje que “não há um controlo capaz das fronteiras portuguesas” e alertou para situações em que cidadãos obrigados a ter um teste à covid-19 “entram sem o ter”.

No final de uma reunião com representantes sindicais e laborais do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Rui Rio confessou ter ficado “muito preocupado” com os relatos de situações que lhe foram feitos e que disse não querer reproduzir na totalidade em público.

“Não há um controlo capaz das fronteiras portuguesas, há muita deficiência na forma como se estão a controlar as fronteiras portuguesas. O exemplo que estou a dar é que, inclusive, cidadãos que não trazem o teste feito e têm de o fazer aqui, muitos entram sem o fazer”, alertou.

“Eu devo dizer que fiquei muito preocupado com a fiscalização que se está ou não se está a fazer nas fronteiras portuguesas”, acrescentou.

Questionado sobre as restrições impostas pelo Governo a cidadãos provenientes do Reino Unido devido a uma nova estirpe da covid-19, Rio disse concordar com as mesmas, que apenas permitem a entrada de cidadãos portugueses e residentes em território nacional e mediante a realização de um teste.

“Concordo como é lógico. Se me pergunta se temo, face ao que ouvi aqui, que não seja fiscalizado? Temer posso temer, mas não há de ser uma quantidade assim tão grande que não permita uma fiscalização adequada”, afirmou.

Recomendadas

Oeiras cria fundo para ajudar comerciantes a recuperar dos estragos do mau-tempo

A Câmara de Oeiras vai criar um fundo, cujo valor será ainda determinado, para apoiar os comerciantes na sequência dos estragos provocados pelo mau tempo, adiantou hoje o presidente, acrescentando que a avaliação dos danos será feita na sexta-feira.

Respostas Rápidas. Tudo o que precisa de saber sobre o Plano Geral de Drenagem de Lisboa

A autarquia chama-lhe “a obra invisível que prepara a cidade para o futuro”. Dois túneis vão atravessar Lisboa e escoar as águas até ao rio, mas não antes de 2025, confirma Carlos Moedas. Até lá, “paciência”, pede. A obra herculana já segue com atraso e custará até 250 milhões de euros. O Jornal Económico explica-lhe.

Moedas avisa que fenómenos extremos vão-se repetir. Pede paciência até 2025

A normalidade na capital será retomada ao longo do dia, garante o presidente da autarquia, que avisa que fenómenos desta natureza se vão repetir. A solução passa por uma obra pública que só estará concluída em 2025. Trabalhos arrancam em março e pede-se “paciência” aos lisboetas.
Comentários