CP apresenta na terça-feira termos de concurso para aquisição de 117 automotoras

A CP vai lançar na terça-feira o concurso para a aquisição de 117 automotoras elétricas, com uma cerimónia que se realiza no Parque Oficinal de Guifões, em Matosinhos, e terá a presença do ministro das Infraestruturas.

O presidente do Conselho de Administração da CP – Comboios de Portugal, Pedro Moreira, irá apresentar, pelas 15:30, os termos do concurso para esta aquisição, aprovada em julho pelo Governo num valor de 819 milhões de euros, segundo comunicado enviado hoje pela empresa pública.

Em novembro, o ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmou que o concurso para a aquisição das automotoras elétricas tinha já o caderno de encargos pronto para o que disse ser “o maior concurso de sempre da história da CP”.

Na ocasião, o ministro acrescentou que o concurso estava a ser preparado para garantir que os 117 comboios “são para ser feitos por uma empresa que esteja disponível para construir parte, ou a totalidade dos comboios” em Portugal.

Pedro Nuno Santos deverá intervir pelas 15:45 na cerimónia a realizar no Parque Oficial de Guifões.

O concurso foi aprovado em Conselho de Ministros, sendo que o Governo espera que o primeiro comboio chegue em 2026 e que a totalidade das composições esteja em circulação em 2029.

Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Crédito à habitação. Governo suspende comissão de amortização antecipada em 2023

O Governo afasta, contudo, um regresso das moratórias no crédito da casa. Uma medida que iria “criar uma ilusão às pessoas de que podemos acabar com o aumento das taxas de juro”, disse o secretário de Estado do Tesouro.

XTB não antevê eclosão de outra crise financeira global com a situação do Credit Suisse

“Na situação atual, a eclosão de outra crise financeira global como consequência do potencial colapso deste banco parece improvável, mas mesmo assim as consequências locais e a curto prazo do futuro questionável do Credit Suisse devem ser tidas em conta”, concluem os analistas da corretora.
Comentários