CP “empurra” para despedimento 120 trabalhadores dos bares dos comboios, acusa federação dos sindicatos

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) alerta que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo”. Tudo porque, diz FESAHT, a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades.

Foto cedida

A Federação dos Sindicatos da Agricultura. Alimentação, Bebidas, Hotelaria e Turismo (FESAHT) denuncia que os 120 trabalhadores dos bares dos comboios da CP estão em risco de “serem vítimas de um despedimento colectivo, porque a empresa mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades”.

“A federação dos sindicatos do sector, FESAHT, reunirá, amanhã [14 de julho], com a empresa concessionária do serviço, a Risto Rail, para melhor analisar a situação”, avança esta estrutura sindical, dando conta de que a CP – Caminhos de Portugal, mantém a recusa da reabertura do serviço de refeições dos bares dos comboios Alfa Pendular e Intercidades e não indica nenhuma data para o fazer

“Pelo contrário, admite junto da concessionária Risto Rail, Ld.ª, pertencente ao grupo LSG/Lufthansa, que não precisa mais do serviço”, realça a FESAHT em comunicado nesta segunda-feira 13 de julho.

Segundo esta federação sindical, a Risto Rail acusa a CP de não lhe pagar o serviço desde março, de ter dificuldades de pagar o salário de julho aos seus 120 trabalhadores e de estar a ponderar um despedimento coletivo.

Entretanto, a FESAHT vai requerer uma reunião no Ministério do Trabalho com a Risto Rail, administração da CP e Ministério das Infraestruturas para analisar a situação.

Trabalhadores reclamam fim do lay-off e querem voltar ao trabalho, diz sindicato

Os comboios Alfa Pendular e Intercidades circulam sem serviço de refeições desde março, na sequência das medidas tomadas no estado de emergência para travar a pandemia de Covid-19. Sindicato de Hotelaria do Norte sinalizou a 18 de junho que os trabalhadores reclamam o fim do lay-off e da consequente diminuição dos seus rendimentos.

“Querem o retorno da actividade, mas a empresa concessionária empurra responsabilidades para a CP. O Sindicato de Hotelaria do Norte vai juntar os trabalhadores, na próxima sexta-feira, na estação de Campanhã, para dar a conhecer a situação à imprensa”, revelou na altura o Sindicato de Hotelaria do Norte.

Segundo este sindicato, a Risto Rail, Ld.ª pertencente à LSG/Lufthansa, concessionária do serviço de refeições dos comboios Alfa Pendular a Intercidades tem os trabalhadores em lay-off desde março.

“Os trabalhadores e os sindicatos já reclamaram que a empresa ponha termo ao lay-off e retome o serviço, mas a empresa atira as responsabilidades para a CP dizendo que esta não aceita reabrir o serviço de refeições dos comboios”, explica o Sindicato de Hotelaria do Norte, realçando que “os trabalhadores estão cansados de estar em casa e de perder rendimentos”.

Para o Sindicato de Hotelaria do Norte, os bares podem continuar abertos dado o tipo de serviço que prestam, acrescentando que os passageiros dos comboios Alfa Pendular e Intercidades estão a pagar um serviço que não está a ser garantido pela CP.

Recomendadas

Klarna permite pagamentos faseados em 870 marcas em Portugal

Prestes a completar o primeiro ano de operação em Portugal, a fintech sueca ultrapassou a marca dos 200 mil utilizadores nacionais da aplicação que permite dividir os pagamentos em três fases.

Prémio “João Vasconcelos – Empreendedor do ano 2022” atribuído aos fundadores da Coverflex

O prémio de “Empreendedor do Ano” foi entregue pelo presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas, e por Bernardo Correia, ‘country manager’ da Google Portugal, entidade parceira desta edição.

Empresa aeronáutica prevê 6 milhões para começar a produzir aviões em Cabo Verde

“Venho elaborando este projeto já há dois anos, criei a empresa Aeronáutica Checo-Cabo-verdiana, empresa que irá produzir os aviões da Orlican e Air Craft Industries em Cabo Verde”, afirma Mónica Sofia Duarte.
Comentários