CPI ao Novo Banco: Bloco vai pedir relatório de auditoria interna do BdP sobre resolução do BES

O JE sabe que a auditoria do Banco de Portugal sobre a resolução do BES será o primeiro documento que o Bloco de Esquerda vai pedir no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito às perdas do Novo Banco.

Cristina Bernardo

O relatório da auditoria interna do Banco de Portugal (BdP) sobre a resolução do Banco Espírito Santo (BES) será o primeiro documento requerido pelo grupo parlamentar do Bloco de Esquerda no âmbito da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) às perdas registadas pelo Novo Banco e imputadas ao Fundo de Resolução, disse fonte do Bloco ao JE.

A CPI ao Novo Banco tomou posse esta terça-feira e tem 120 dias para concluir os trabalhos. Os deputados vão agora indicar as personalidades que serão chamadas ao Parlamento e definir uma estratégia de prioridades, isto é, determinar quem deve ser ouvido primeiro, sendo que, no caso do BE, o primeiro documento a ser pedido será a auditoria que o BdP mandou fazer sobre a resolução do BES, que aconteceu em agosto de 2014, durante a liderança do então Governador Carlos Costa.

Recorde-se que não é a primeira vez que o BE pretende ter acesso a este documento. Em setembro deste ano, um dia depois da entrega no Parlamento da auditoria da Deloitte ao BES/Novo Banco, Mariana Mortágua entregou um requerimento pedindo o acesso da Assembleia da República à auditoria interna do BdP, pedido que o supervisor, já liderado por Mário Centeno, rejeitou.

O requerimento apresentado por Mariana Mortágua surgiu na sequência de o primeiro ministro ter afirmado que já tinha pedido ao supervisor da banca a auditoria interna do BdP sobre a resolução do BES. No debate quinzenal de 7 de março de 2019, António Costa afirmou que “nós, o governo, solicitamos ao BdP o envio da auditoria e o BdP não nos revelou a auditoria. Pergunta-me se eu tenho curiosidade? Claro que tenho curiosidade. Todos temos curiosidade, qualquer português tem curiosidade”.

A posição do Executivo foi novamente reiterada pela ministra da Presidência, Mariana Vieira da Silva, em conferência de imprensa, após a reunião do Conselho de Ministros de 3 de setembro deste ano.

Ao “Expresso”, o deputado único da Iniciativa Liberal, João Cotrim de Figueiredo, que será um dos 17 deputados efetivos da CPI, disse na segunda-feira que também pretende “o relatório de avaliação ao Banco de Portugal na queda do BES, que Carlos Costa sempre se recusou entregar ao Parlamento”.

De Passos a Costa e de Salgado a Ramalho: quem poderá ser chamado à CPI sobre as perdas do Novo Banco

Relacionadas

Centeno responde ao Bloco: BdP aguarda por tribunal para saber se pode revelar relatório sobre sigilo

O Bloco de Esquerda quer conhecer este relatório, mas o Banco de Portugal diz que está sob sigilo, e que aguarda agora pela decisão do tribunal para saber se pode revelá-lo. Relatório analisa atuação do Banco de Portugal no processo de resolução do BES:

Governo reitera que relatório interno do Banco de Portugal à resolução do BES deveria ser público

O Executivo socialista defende, tal como já tinha feito em 7 de março de 2019, que o documento é do “interesse público” e garante que “não mudou de opinião” por o ex-ministro das Finanças ter passado a governador do Banco de Portugal.
Recomendadas

A parceria que privilegia a economia social e as suas organizações ganha mais três anos

Daniel Traça, Dean da Nova SBE, e José Pena do Amaral, Consultor da Comissão Executiva e Membro da Comissão de Responsabilidade Social do BPI, explicam ao JE a originalidade da parceria Iniciativa para a Equidade Social, o que envolve e o que pretende alcançar. A parceria junta a Fundação “la Caixa”, o BPI e a Nova SBE.

Fundação ”la Caixa”, BPI e NOVA SBE renovam parceria de 2,2 milhões

Iniciativa para a Equidade Social vai prolongar-se por mais três anos, até 2024, segundo acordo assinado esta tarde na Nova SBE, em Carcavelos. A parceria tem como objetivo impulsionar o sector da economia social em Portugal, através de projetos de investigação e capacitação desenvolvidos por equipas académicas especializadas.

Bancários reformados avançam com “manif” para 6 de outubro e pedem fiscalização da constitucionalidade a Marcelo

Os sindicatos da banca filiados na UGT entregaram hoje ao Presidente da República o pedido de fiscalização sucessiva previsto na Constituição relativamente ao pacote legislativo de mitigação da inflação, atendendo à sua previsível inconstitucionalidade por não incluir a totalidade dos bancários reformados.
Comentários