Cravinho espera que Finlândia e Suécia sejam membros da NATO até final do ano

O ministro português dos Negócios Estrangeiros disse hoje esperar que, até final do ano, Finlândia e Suécia sejam “membros de pleno direito” da NATO, não prevendo “dificuldades de maior” àquele que é um “passo natural” para a segurança europeia.

“Gostaria de pensar que, até final do ano, isto seja possível, que [a Finlândia e a Suécia] sejam membros de pleno direito [da NATO], mas vai depender dos outros 29 membros além de Portugal”, declarou João Gomes Cravinho. Falando à chegada da reunião informal dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Organização do Tratado do Atlântico Norte (NATO), em Berlim, o chefe da diplomacia portuguesa disse ver o alargamento da Aliança Atlântica à Finlândia e à Suécia como um “passo natural” na “nova ordem de segurança na Europa”.

Já confrontado com posições mais céticas como a da Turquia, João Gomes Cravinho admitiu que, em “30 países soberanos” na NATO, “nunca se pode esperar homogeneidade”, embora não prevendo “dificuldades de maior” e que as dúvidas turcas “possam ser resolvidas no diálogo coletivo”.

O ministro português dos Negócios Estrangeiros, que na sexta-feira esteve em Helsínquia para se reunir com o seu homólogo finlandês para debater a adesão finlandesa à NATO, participa hoje e domingo na reunião dos ministros dos Negócios Estrangeiros da Aliança Atlântica, para coordenar a resposta à guerra na Ucrânia e discutir o eventual alargamento à Finlândia e à Suécia.

Para permitir a adesão da Finlândia e da Suécia à NATO, é necessário aval pelos 30 membros da Aliança Atlântica.

Na véspera da reunião na capital alemã, o Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, manifestou-se desfavorável à entrada da Finlândia e da Suécia na NATO, por acolherem militantes curdos que a Turquia considera como terroristas. Já hoje, o porta-voz de Recep Tayyip Erdogan veio garantir que a Turquia “não fecha a porta” à entrada destes dois países nórdicos na Aliança Atlântica. Na sequência da guerra na Ucrânia, a Finlândia e a Suécia iniciaram um debate sobre a adesão à NATO, que, a concretizar-se, significará o abandono da histórica posição de não-alinhamento dos dois países.

A Rússia, que partilha 1.340 quilómetros de fronteira terrestre com a Finlândia e uma fronteira marítima com a Suécia, avisou que será forçada a tomar medidas de retaliação se Helsínquia aderir à NATO.

Relacionadas

Secretário-geral da NATO diz que alargamento tem sido um “sucesso histórico”

O secretário-geral da NATO defendeu hoje que o alargamento da aliança atlântica tem sido “um sucesso histórico”, após falar com os chefes da diplomacia da Suécia e da Finlândia, países que se preparam para pedir adesão à organização.

Finlândia. Ministro dos negócios estrangeiros confiante num entendimento com a Turquia sobre a NATO

O chefe da diplomacia finlandesa, Pekka Haavisto, manifestou-se hoje confiante na possibilidade de um entendimento com a Turquia, apesar da hostilidade do Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, à entrada na NATO da Finlândia e da Suécia.
Recomendadas

CEO da Microsoft destaca plataforma para ajudar a Ucrânia criada por português

Satya Nadella diz que o “Ukraine Live Aid”, para prestar apoio aos refugiados ucranianos, foi um dos trabalhos “significativos” e “muito necessários” que feitos com as Power Pages da Microsoft.

Ocidente deve ser mais brando com a Rússia e a Ucrânia deve ceder, defende Kissinger

Segundo o ex-secretário de Estado dos EUA, os líderes europeus não devem perder de vista o relacionamento de longo prazo com a Rússia, nem devem arriscar empurrá-la para uma aliança permanente com a China. O antigo campeão de xadrez Garry Kasparov disse que essa posição, para além de imoral, foi provada errada repetidamente.

Mais de 200 corpos encontrados em cave de Mariupol

Informação foi avançada por Petro Andryushchenko, conselheiro do presidente da câmara de Mariupol.
Comentários