Crédit Agricole multado em 700 milhões

O banco Crédit Agricole vai pagar uma multa de 787,3 milhões de dólares (694 milhões de euros) por ter violado os embargos norte-americanos impostos ao Sudão, Irão, Cuba e Birmânia, anunciaram reguladores dos EUA. Esta punição financeira faz parte de um acordo concluído com quatro autoridades dos Estados Unidos que acusavam o banco francês de […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O banco Crédit Agricole vai pagar uma multa de 787,3 milhões de dólares (694 milhões de euros) por ter violado os embargos norte-americanos impostos ao Sudão, Irão, Cuba e Birmânia, anunciaram reguladores dos EUA.

Esta punição financeira faz parte de um acordo concluído com quatro autoridades dos Estados Unidos que acusavam o banco francês de ter feito transações em dólares entre 2003 e 2008 em nome de entidades ou pessoas abrangidas pelas sanções económicas impostas por Washington.

“O Crédit Agricole envolveu-se numa série de procedimentos para contornar as sanções norte-americanas e enganar os reguladores”, refere Anthony Albanese, dirigente dos serviços financeiros de Nova Iorque, citado num comunicado.

De acordo com o regulador, o banco “aceitou pedidos dos clientes para dissimular as suas identidades”.

O banco vai reforçar os seus procedimentos de controlo e comprometeu-se a não cometer infrações similares. Em troca, as autoridades devem renunciar a uma ação penal, o que permite à instituição bancária prosseguir normalmente determinadas atividades, como gerir ativos de fundos de pensões.

As operações litigiosas em causa ultrapassam os 32 mil milhões de dólares e foram efetuadas em filiais em Londres, Paris, Singapura, Hong Kong e Genebra do Crédit Agricole CIB, o banco de financiamento e investimento do grupo.

Muitos dos dirigentes do banco envolvidos já deixaram o Crédit Agricole, mas as autoridades norte-americanas exigiram que um responsável ainda em funções seja afastado.

OJE

Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.