Credit Suisse aumenta prejuízos para 267 milhões de euros no trimestre

Os resultados do Credit Suisse continuam a espelhar os escândalos que afetaram o banco que sofre já o quarto trimestre em seis de resultados negativos. O CFO está de saída.

O Credit Suisse viu os seus prejuízos agravarem para 273 milhões de francos suíços (267 milhões de euros) no primeiro trimestre, em face dos custos com litígios e das consequências da guerra Rússia-Ucrânia.

Os resultados do Credit Suisse continuam a espelhar os escândalos que afetaram o banco que sofre já o quarto trimestre em seis de resultados negativos.

Os números foram mais fracos do que o esperado e o banco voltou a fazer mudanças significativas
na gestão de topo.

David Mathers, que é administrador financeiro desde 2010, está de saída do banco. No entanto, permanecerá no cargo até que um substituto seja encontrado.

O prejuízo líquido de 273 milhões de francos suíços no trimestre, surge depois de na semana passada o banco ter feito ao mercado um profit warning.

Nesta quarta-feira o banco suíço confirmou as perdas relacionadas com a Rússia que totalizaram 206 milhões de francos suíços. Houve também um golpe de 155 milhões de francos suíços relacionados com o escândalo Archegos.

O CEO, Thomas Gottstein, disse à CNBC que este foi um “trimestre difícil”.

Recomendadas

PremiumFim do protocolo com a Coleção Berardo não é prejudicial à banca

A denúncia do contrato, anunciada pelo Ministério da Cultura, vai entrar em vigor em janeiro de 2023. Mas, segundo apurou o JE, a banca considera que esta decisão do Governo não lhe é prejudicial.

CGD propõe distribuir dividendo adicional de 137 milhões de euros

O banco público explica que “dispõe de uma situação financeira robusta, pelo que a alteração do montante a entregar ao acionista não prejudica a sua capacidade de cumprir com os requisitos legais e regulamentares”.

Ucrânia: Moscovo restringe ação dos bancos italianos Intesa Sanpaolo e UniCredit

O banco central da Federação Russa impôs restrições temporárias às contas bancárias de empresas e cidadãos italianos das filiais locais do Intesa Sanpaolo e UniCredit, disseram à Efe fontes conhecedoras do caso.
Comentários