Arte, carros antigos, vinhos de luxo, jóias e relógios e NFT são ativos refúgio em crise, diz Credit Suisse

“No contexto de uma pandemia global de Covid, a inflação crescente, a guerra na Europa e o cisma entre o Ocidente e o Oriente, remodelando mercados e sistemas monetários, olhamos para a forma como os colecionáveis podem ser vistos pelos investidores como uma forma de diversificar os seus investimentos”, refere o banco suíço.

Cristina Bernardo

O Credit Suisse Research Institute divulgou o seu mais recente relatório – Collectibles amid heightened uncertainty, sobre o desempenho de alguns artigos colecionáveis e a forma como podem ser uma alternativa de investimento nestes tempos de incerteza.

O Credit Suisse Research Institute, em colaboração com a Deloitte e alguns dos principais peritos do sector, analisaram as principais tendências nas maiores categorias de colecionáveis, incluindo o rápido desenvolvimento dos NFT – os novos colecionáveis digitais.

Os artigos colecionáveis são, cada vez mais, um bom investimento, segundo algumas casas de investimento.

Axel P. Lehmann Chairman do Credit Suisse Group AG assina o editorial da publicação destinada aos clientes do banco. Nele diz que “desde o início da pandemia, o mundo sofreu e continua a sofrer grandes mudanças. A inflação fez um pronunciado regresso. A guerra na Europa tornou-se uma triste realidade. Uma cisão entre o Ocidente e o Oriente está a remodelar os mercados inteiros e mesmo os sistemas monetários”.

“O crescimento económico ainda é resiliente, mas não garantido, para que os investidores sejam naturalmente atraídos para que os investidores sejam naturalmente atraídos para reservas de valor e formas de diversificar os seus ativos”, defende Axel P. Lehmann.

Ora, “quando esse objetivo também obedece a afinidades pessoais ou mesmo paixões, como acontece com muitos colecionadores dedicados, a procura prospera. Por essas razões, escolhemos este momento para atualizar nosso relatório Collectibles, lançado pela primeira vez em 2020”, refere o chairman.

“Em colaboração com a Deloitte Luxembourg, os nossos especialistas em investimentos do Credit Suisse associam-se novamente aos principais especialistas externos para identificar as principais tendências nas maiores categorias de colecionáveis para o benefício de nossos clientes e explorar os rápidos desenvolvimentos em tokens não fungíveis (NFTs), os novos colecionáveis digitais”, conclui.

Os colecionáveis ​​digitais usam a tecnologia blockchain para criar tokens não fungíveis que permitem distribuição e transferências de propriedade.

Colecionismo: Uma paixão multigeracional

No primeiro capítulo, há uma entrevista entre Nannette Hechler-Fayd’herbe com Charles Gordon-Lennox, o 11º Duque de Richmond, e Richard Grindy, diretor de arte do Grupo Goodwood sobre a experiência de colecionadores multigeracionais de grande sucesso, a motivação e a abordagem de uma família antiga e tradicional.

“Enquanto a economia mundial recupera da recessão da Covid-19, o mesmo acontece com os colecionáveis, com apenas algumas exceções”, defende o Credit Suisse.

Este relatório resume as principais tendências de performance, comparando-as com os retornos dos ativos históricos e tradicionais, e analisa a sua sensibilidade à inflação, aumentos de taxas e crescimento no atual ambiente pós-Covid.

Curiosamente, a melhor proteção contra a inflação (medida pelo desempenho em períodos de inflação extrema) é oferecida pelas bolsas Chanel, seguidas por obras de arte chinesas tradicionais e relógios de pulso, em particular Rolex, segundo o relatório.

O aumento dos níveis de riqueza e o aumento de pessoas com património de valor ultra-alto (UHNWI) constituem um bom presságio para os colecionadores, juntamente com a procura reprimida dos colecionadores e a expansão de uma nova base de clientes, mais jovem e mais global através das vendas online.

Que ativos colecionáveis são abordados pelo Credit Suisse? Arte; Automóveis Clássicos; Vinhos de Luxo; Jóias e relógios e os Non-fungible tokens (NFTs).

Obras de arte e carros antigos

Esta secção analisa a evolução do mercado de arte nos últimos 18 meses e desenvolve algumas das tendências de 2022 que poderiam ser relevantes para os colecionadores de arte existentes e novos. Isto é, avalia o mercado dos colecionadores de arte num contexto de aumento da inflação e tensões geopolíticas.

O relatório Art Market 2022 elaborado pela economista Clare McAndrew para o grupo da feira Art Basel
e UBS avaliaram o valor do mercado de arte em 2021 em 65,1 mil milhões de dólares, representando um aumento de 29% em relação a um ano fraco em 2020 (avaliado em 50 mil milhões de dólares).

O banco suíço diz que 2021 marca um período de mudança transformacional no mercado da arte, que passa por criar negócios mais resilientes e inovadores modelos em todo o sector e posicionando o mercado numa melhor base para o crescimento futuro, além de tornar a vida dos colecionadores mais intensa devido ao rápido aumento do ritmo de mudança.

Globalmente, 2021 foi um bom ano para o mercado da arte, nomeadamente na segunda metade, com duas coleções de referência em Nova Iorque. Uma delas foi a coleção Cox de obras impressionistas na Christie’s em 11 de novembro, que arrecadou 332 milhões de dólares. A outra foi a Part One (the first half) da coleção de arte moderna Macklowe, realizada na Sotheby’s em 15 de novembro, que arrecadou 676 milhões de dólares – o maior total de vendas da história da empresa. Ambas as coleções – Cox e Macklowe – traziam garantias de transporte.

No que toca aos colecionadores de automóveis clássicos, o banco diz que, na saída da pandemia, o mercado automóvel clássico não só recuperou fortemente, como também acelerou para uma transformação revolucionária com novas plataformas de leilões digitais a ganharem importantes quotas de mercado, novas categorias de automóveis a tornarem-se “clássicos instantâneos” e novos colecionadores a juntarem-se ao mercado automóvel clássico.

A coleção de automóveis é frequentemente apresentada como um investimento, mas para a maioria dos colecionadores, é antes de mais uma paixão que os leva a eventos internacionais, nacionais ou locais, e aos quais dedicam uma parte importante do seu tempo livre à manutenção ou restauração dos seus automóveis. É raro que os verdadeiros colecionadores vendam um dos seus carros – normalmente, as suas coleções só crescem em qualidade e quantidade. Como resultado, o mercado automóvel clássico, embora sujeito a tendências positivas e negativas como outros colecionáveis, tende a ser mais anti cíclico do que outros.

Bons vinhos: O vinho é um investimento alternativo?

Com uma estimativa de 5 mil milhões de dólares em vendas por ano, o mercado de vinhos de luxo é uma categoria significativa de colecionáveis. Tanto a Covid como a inflação alimentaram os aumentos de preços de certos vinhos.

Os vinhos de categoria de investimento, tal como outros colecionáveis, requerem conhecimentos especializados — indo para além da mera experiência financeira — para proporcionar algum sucesso económico. O peso do líder outrora indiscutível, o Bordeaux, diminuiu ao longo dos anos, enquanto o Burgundy, o italiano e o Champagne emergiram como os vencedores. Esta visão geral examina alguns dos elementos-chave que precisam de ser tidos em conta.

Relógios e joias: Reservas de valor

Para a maior parte dos clientes de alto ultra-alto rendimento (UHNWI), as jóias e os relógios de valor constituem uma parte do seu património. Ambos são uma categoria de investimento para os clientes, fruto da raridade ou por vezes até de um significado cultural e histórico.

O banco diz que é importante notar que, para além de serem um instrumento relevante ao longo dos tempos no ritual de entrega de presentes, representam também uma reserva de valor em tempos de grande incerteza. Nenhuma outra categoria de bens tem tantos fins diferentes ou satisfaz tantas das necessidades sociais, o que coloca as jóias e os relógios de coleção como uma categoria duradoira e importante em qualquer discussão contemporânea sobre a riqueza.

Um enfoque especial: NFTs

O ano 2021 testemunhou o surgimento de uma nova classe de colecionáveis – os colecionáveis digitais – mais amplamente conhecidos como NFT.

Este relatório analisa categorias-chave entre as NFT e o estado do mercado. “Após uma fase de estabilização no início de 2022, esperamos que o sector das NFT continue a crescer em diversidade e popularidade, embora com uma base mais fundamental em oposição ao crescimento especulativo do ano passado”, diz o Crédit Suisse.

Recomendadas

PSI fecha em alta ligeira com Greenvolt a liderar subidas

A bolsa de Lisboa fechou esta segunda-feira com o índice PSI a registar uma ligeira subida de 0,04% para 6.054,21 pontos, com a Greenvolt a liderar os ganhos ao avançar 3,30%.

PSI sobe 8,5% desde o início do ano

Apesar da subida anual, em junho registou uma queda de 3,4%, com apenas cinco das 15 sociedades cotadas que integram o PSI a registarem uma evolução positiva, sendo que a banda de variação mensal oscila entre a subida de 8,8% da Jerónimo Martins e a queda de 16,7% dos CTT. A Maxyield destaca a forte capacidade de resiliência do PSI face às quebras mensal e anual dos mercados internacionais.

Vauld congela transações cripto devido à volatilidade no mercado

A Vauld junta-se a outras empresas de empréstimos de criptomoedas que decidiram suspender transações devido à forte volatilidade que se vive no mercado.
Comentários