Credit Suisse prevê prejuízos de 1,5 mil milhões no quarto trimestre

O Credit Suisse alertou o mercado que deverá registar um prejuízo de 1,5 mil milhões de francos suíços no quarto trimestre, devido ao impacto dos custos do plano de reestruturação e à saída de fundos da gestão de patrimónios provocada pela queda na confiança dos clientes.

O Credit Suisse alertou o mercado que deverá registar um prejuízo de 1,5 mil milhões de francos suíços (1,52 mil milhões de euros) no quarto trimestre, devido ao impacto dos custos do plano de reestruturação e à saída de fundos da gestão de patrimónios provocada pela queda na confiança dos clientes.

As unidades de gestão de ativos e banca de investimento vão perder dinheiro no quarto trimestre, com o Credit Suisse a sofrer resgates equivalentes a 6% dos ativos sob gestão este ano, num total de 84 mil milhões de francos suíços.

O banco alertou no mês passado que era esperado um prejuízo para o quarto trimestre, com o CEO Ulrich Koerner dizendo que o banco “definitivamente” será lucrativo a partir de 2024.

No mês passado, o Credit Suisse anunciou um plano radical de reestruturação, incluindo a separação e cisão do seu banco de investimento, o corte de 9.000 empregos até 2025 e o aumento de capital 4 mil milhões de francos suíços para resolver os escândalos e superar o prejuízo de 4 mil milhões de francos do trimestre terminado em setembro.

O banco leva esta quarta-feira o aumento de capital à aprovação dos acionistas, segundo revela a MTrader.

O Financial Times noticia hoje que o banco espera que a venda da sua participação no grupo Allfunds provoque uma perda de 75 milhões de francos suíços.

Recomendadas

Montepio aumenta para 1,25 mil milhões a emissão de obrigações hipotecárias que vencem em 2026

Na prática, é um reforço da emissão, mas em concreto o banco liderado por Pedro Leitão anuncia a ficha de uma nova emissão de 750 milhões de euros que são fungíveis com os 500 milhões já emitidos, pelo que no final a emissão total sobe para 1.250 milhões de euros.

“Falar Direito”. “Diploma da renegociação cria ónus sobre bancos que têm crédito à habitação”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica quais são, na sua perspetiva, os dois principais problemas associados ao novo diploma relativo à renegociação de créditos.

Renegociação de créditos: o que muda com a nova lei? Ouça o “Falar Direito”

O advogado Francisco Barona, sócio do departamento financeiro e governance da Sérvulo, explica o que muda para consumidores e banca com a entrada em vigor do novo diploma relativo à renegociação de créditos.
Comentários