PremiumCrédito a empresas em moratória nos quatro bancos é 7% do PIB

O montante de crédito a empresas na CGD, no BCP, no BPI e no Santander em moratória soma 15,2 mil milhões de euros, o que representa 7% do PIB de 2019 e 8% do PIB esperado para 2020.

O montante de crédito a empresas na CGD, BCP, BPI e Santander em moratória soma 15,2 mil milhões de euros, o que é 7% do PIB de 2019 (213,301 mil milhões) e 8% do PIB esperado para 2020 pelo Governo, que antevê uma queda do produto de 8,5% este ano.

Em média, os bancos têm cerca de 25% do crédito a empresas em moratória, sendo que este é o montante do crédito a empresas que aderiu às moratórias cujo prazo é até ao fim de setembro de 2021. Mas não é o valor das prestações em moratória. Segundo dados do Banco de Portugal nos oito maiores grupos bancários a atual em Portugal – BCP, BPI, Banco Montepio, CGD, EuroBic, Grupo Caixa Agrícola, Novo Banco e Santander Totta – de acordo com estimativas dos próprios bancos, as prestações associadas a estes créditos, até 30 de setembro de 2020, totalizavam cerca de 2,8 mil milhões de euros, no segmento de crédito a empresas, e 600 milhões no segmento de crédito a particulares.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.

Bankinter é mecenas da exposição “Faraós Superstars” na Fundação Gulbenkian

A exposição “Faraós Superstars” pretende fazer uma reflexão sobre a popularidade dos faraós, reunindo 250 peças de importantes coleções europeias, provenientes de diferentes períodos históricos, desde antiguidades egípcias, passando pelas iluminuras medievais e pintura clássica até à música pop.
Comentários