Crédito à habitação: quais são os prazos máximos?

Sabia que os prazos máximos do crédito à habitação dependem da idade de quem os contrata? Descubra qual o prazo que se aplica a si.

Tem um aniversário a chegar? Então esta pode ser a altura certa para contratar um crédito à habitação. Descubra, neste artigo do ComparaJá.pt, o que dizem as regras do Banco de Portugal e qual é o prazo máximo que se aplica a si.

Quais são os prazos máximos para o crédito à habitação?

As novas medidas entraram em vigor a 1 de abril de 2022. Para quem tem até 30 anos, o prazo máximo dos créditos à habitação permanece nos 40 anos.

Para quem tem idade até 35 anos, a duração máxima do crédito passa de 40 para 37 anos. Se tem mais de 35 anos, o prazo máximo do contrato desce para os 35 anos.

Novos prazos máximos para Crédito Habitação
Idade do mutuárioMaturidade máxima até 1 de abril de 2022Maturidade máxima a partir de 1 de abril de 2022
Até 30 anos40 anos40 anos
Entre 30 e 35 anos40 anos37 anos
Mais de 35 anos40 anos35 anos

A regra do Banco de Portugal prevê que no caso de empréstimos com dois mutuários se considere sempre a idade do mais velho. Com um novo prazo máximo do crédito à habitação, vem uma nova mensalidade a pagar ao banco.

Os prazos afetam o valor a pagar por mês?

Maturidades mais curtas significam prestações mensais mais altas, uma vez que terá de devolver ao banco o montante do crédito em menos tempo.

Vamos a contas. Imagine que está a considerar pedir um crédito à habitação de 100 mil euros com um ‘spread‘ de 1,2% indexado à EURIBOR a 12 meses (cuja média em março foi de -0,25%). Neste caso, a prestação a pagar por quem tem idade até ou igual a 30 anos é de 250,50 euros.

Se o cliente tiver mais idade, até 35 anos, o mesmo financiamento implica um encargo mensal de 267,21 euros. São mais 16,71 euros por mês e um total de 200,54 euros ao final de um ano. Ou seja, paga mais 7% do que o mesmo cliente, mas mais novo.

O valor da prestação fica ainda mais caro para clientes que tenham uma idade superior a 35 anos. O mesmo financiamento, mas com um prazo mais curto, tem um custo mensal de 279,96 euros, ou seja, 12% mais do que pagaria antes desta nova regra.

Quais as vantagens para quem vai contratar um crédito à habitação?

Apesar de agravarem as prestações mensais dos mutuários com mais idade, as novas medidas reduzem o valor total a pagar pelo financiamento, já que a amortização será mais célere.

Ao mesmo tempo, terão também a mais-valia de permitir poupanças em custos associados ao financiamento para a compra de casa, nomeadamente os encargos com os seguros obrigatórios, de vida e do próprio imóvel. Por fim, as alterações reduzem a despesa total com as comissões destes empréstimos.

São fatores positivos no longo prazo, mas que pesam na carteira no curto e médio prazo. Alteração ainda mais preocupantes sobretudo quando se deverá iniciar o movimento de subida das taxas de juro, atualmente em valores historicamente baixos.

Existe um limite de idade para pedir um crédito à habitação?

A idade máxima dos titulares do crédito é de 75 anos. Isto significa que pessoas com mais idade à procura de um crédito habitação vão ter um prazo mais curto para pagar o empréstimo.

O prazo do crédito à habitação é calculado ao contar quantos anos faltam para o titular do empréstimo celebrar o 75º aniversário. Por exemplo, se tiver 40 anos e for pedir um empréstimo, o prazo máximo será de 35 anos (a diferença para os 75 anos).

Mas esta regra não elimina o limite dos 40 anos. Ou seja, se tiver 25 anos, continua a ter um prazo de 40 anos no crédito habitação. A grande questão com as mudanças nas regras prende-se, no entanto, com os clientes que têm entre 30 e 35 anos.

Porque surgem agora estas alterações aos prazos dos créditos à habitação?

O objetivo do Banco de Portugal é pôr um travão ao aumento da maturidade média nos créditos à habitação.

Portugal continua a destacar-se dos restantes países europeus por ter uma maturidade média das novas operações de crédito habitação superior a 30 anos, enquanto a generalidade dos restantes países tem uma maturidade média entre 20 e 25 anos.

Maiores maturidades implicam um risco acrescido para as instituições financeiras que ficam mais expostas a flutuações do ciclo económico e financeiro durante um período mais longo. Por outro lado, também diminuem a flexibilidade de reestruturação de créditos em contextos de dificuldades financeiras.

Por este motivo, o BdP recomendou que a maturidade média do conjunto de novos contratos deve convergir, de forma gradual, para 30 anos até final de 2022. O supervisor já fez saber que os limites são para cumprir. Caso existam casos excecionais, o banco terá de explicar a sua decisão supervisor.

Podem existir novas alterações aos prazos dos créditos à habitação?

É bem possível. Esta já é a segunda alteração desde 2018. Em 2020, o Banco de Portugal estabeleceu novos limites ao crédito pessoal. Nesse ano, o supervisor reduziu o limite de prazo no crédito pessoal de dez para sete anos para combater o endividamento excessivo das famílias.

Se, até ao final do ano, a maturidade média não convergir com os 30 anos o Banco de Portugal pode voltar a atuar. Em novembro de 2021, a maturidade média estava nos 32,5 anos e tinha aumentado face a 2020. Sinais que podem indicar uma possível nova mexida nos prazos.

Já os créditos à habitação contratados antes de abril de 2022 não sofrem alterações. A medida aplica-se apenas aos créditos celebrados a partir de 1 de abril de 2022. Por isso, se contratou um empréstimo antes dessa data, não tem de se preocupar pois não sofrerá qualquer alteração.

O mesmo se aplica aos créditos habitação para segundas residências. Os prazos e o limite de idade nestes créditos são idênticos aos dos restantes empréstimos.

Para já, também a taxa de esforço máxima se mantém igual. Esta é a percentagem do rendimento total do agregado familiar destinada ao pagamento das prestações de créditos até então contraídos. No caso de um crédito à habitação, pelo facto de se tratar de um empréstimo de um valor muito avultado, muitos bancos colocam um limite máximo de 40% na taxa de esforço dos titulares para a aprovação do financiamento.

Como escolher a melhor opção de crédito à habitação?

Quem quer comprar casa e tem de 35 anos poderá ter de refazer algumas contas. Para conseguir a melhor proposta para o seu caso, é importante que esteja atento a todas as variantes que influenciam o valor que vai pagar todos os meses. Além do spread, deve dar atenção aos seguros associados e às comissões.

Relacionadas

Quais são as taxas de juro no crédito habitação?

Fique a conhecer todas as taxas a que está sujeito no pagamento das suas prestações de crédito à habitação e as diferentes modalidades de pagamento.

Inflação 2022: o que é e quais as suas consequências?

A inflação 2022 está a preocupar famílias e empresas. Saiba o que significa este conceito e o que está por trás desta subida de preços.

Do spread à TAEG. Se vai contratar um crédito habitação, conheça estes conceitos

Vai contratar um crédito habitação e precisa de perceber todas as variáveis que podem determinar a mensalidade do empréstimo? Manuel Vieira, responsável pela equipa de gestores de cliente do ComparaJá, detalha todos os conceitos que necessita saber neste explicador em colaboração com o Economize.

Quais as fases de aprovação de um crédito para comprar casa?

Um processo de financiamento à habitação pode prolongar-se por mais de três meses até estar concluído. Fique a conhecer as cinco etapas de aprovação.

Imposto do Selo: o que é e porque existe em todos os créditos?

O Imposto do Selo é uma taxa ou mesmo um valor fixo, em euros, e está presente em diversas situações. Descubra quais são e quando existe isenção.

Quanto custa construir uma casa?

Antes de pensar em construir uma casa de raiz, há que ponderar todos os custos inerentes, bem como toda a burocracia. Descubra aqui se vale a pena.
Recomendadas

Novos radares de Lisboa entram em funcionamento a 1 de junho

A Câmara de Lisboa revela que, além da sinalização de trânsito que decorre do Regulamento de Sinalização de Trânsito (sinal H43), foram instalados “painéis informativos” em todas as localizações dos novos radares.

Multivision quer contratar 300 colaboradores até ao final do ano na área das TI

Com a expectativa de dar continuidade ao processo de crescimento, no ano em que celebra 15 anos de existência, a Multivision aponta como principal objetivo atingir os 15 milhões de euros em receitas, pressupondo um crescimento entre 40% a 50%. Para tal, a tecnológica quer duplicar o número de colaboradores atuais até 2025.

Dia Mundial das Telecomunicações: consumidores já podem pedir nova Tarifa Social da internet

A Tarifa Social da Internet – TSI está disponível para famílias com baixos rendimentos ou necessidades sociais especiais e tem um custo de 5€ + IVA (cobrado até ao máximo de 21,45€) que pode ser pago em mensalidades (6, 12 ou 24 meses) ou integralmente. Neste tarifário os consumidores usufruem de 15GB por mês, a uma velocidade mínima de 12 Mbps, e não inclui televisão e telefone.
Comentários