Crédito à habitação. Saiba a diferença entre ‘spread’ base e ‘spread’ contratado

O spread é livremente definido pela instituição de crédito para cada contrato e representa o acréscimo (em pontos percentuais) ao indexante utilizado no crédito à habitação.

Nem todos os consumidores sabem o que é o spread e qual a diferença entre spread base e spread contratado.

Referimo-nos a conceitos muito importantes, nomeadamente para quem pretende pedir um empréstimo para compra de casa, permitindo a avaliação de qual o melhor crédito à habitação.

Nos créditos com taxa de juro variável, a taxa de juro do empréstimo resulta da soma de duas parcelas: Taxa de juro = Indexante ou taxa de referência (Euribor) + Spread.

O spread é livremente definido pela instituição de crédito para cada contrato e representa o acréscimo (em pontos percentuais) ao indexante utilizado no crédito à habitação.

Em termos simples, é a margem de lucro da instituição financeira e pode variar de banco para banco, sendo negociável.

Uma diferença de, por exemplo, meio ponto percentual poderá representar milhares de euros de poupança no custo total do crédito.

O cliente bancário poderá escolher o prazo da Euribor, mas o banco propõe usualmente o prazo de 12 meses.

O spread será tanto mais alto quanto o cliente representar um maior risco para o banco.

Se, por exemplo, a margem entre o valor da avaliação da casa e o montante de financiamento (LTV) for pequena, a taxa de esforço for elevada ou o cliente tiver um contrato a termo certo ou não houver fiadores, o risco para o banco será maior, donde poderá resultar um spread mais elevado.

O spread base é o spread máximo que pode ser aplicado ao crédito. Para conseguir reduzir este spread o banco irá propor a subscrição ou contratação de um, dois ou de um pacote de produtos ou serviços, donde resultará o spread contratado.

O spread base será pois reduzido até ao spread contratado, em função dos produtos ou serviços financeiros que subscrever, (ex.º: domiciliação do ordenado, homebanking, cartão de crédito, PPR, seguros, etç).

Poderá conseguir uma redução de 1% ou 2% no spread, mas deve reflectir sobre se:

  • Precisa mesmo dos produtos/serviços?
  • Se ao longo do período de vida do empréstimo deixar de deter um ou mais desses produtos/serviços, o spread aumentará e pagará um juro superior?

 

Recomendadas

Cartão de crédito: saiba como utilizá-lo de forma consciente nestas férias

Conheça as dúvidas mais persistentes no que diz respeito aos cartões de crédito e quais as respostas para que faça uma boa utilização deste meio de pagamento.

Custos crescentes são o maior desafio para os turistas, conclui estudo internacional

Ultrapassadas as restrições impostas durante os últimos dois anos face à pandemia da Covid-19, começa a surgir um novo obstáculo aos turistas, destaca estudo “International Vacation Confidence Index”.

Campos de férias são uma boa opção para as férias de verão dos jovens

Sejam colónias, sejam campos de férias, esta é uma solução de lazer que quebra rotinas essenciais ao equilíbrio físico, psicológico e social, que proporciona momentos de grande brincadeira e que oferece oportunidade para aprofundar conhecimentos, sempre em ambiente de natureza e ar livre.
Comentários