Crédito em Angola atinge 23,1 mil milhões

O crédito concedido pelos bancos angolanos já aumentou mais de 7% desde o início do ano, tendo renovado em setembro máximos de 2015, fixando-se em cerca de 23,1 mil milhões de euros. Segundo relatórios mensais, sobre a atividade, do Banco Nacional de Angola (BNA) e compilados pela agência Lusa, trata-se ainda de um aumento superior […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

O crédito concedido pelos bancos angolanos já aumentou mais de 7% desde o início do ano, tendo renovado em setembro máximos de 2015, fixando-se em cerca de 23,1 mil milhões de euros.

Segundo relatórios mensais, sobre a atividade, do Banco Nacional de Angola (BNA) e compilados pela agência Lusa, trata-se ainda de um aumento superior a 3% face ao mês anterior, de agosto, num ano marcado por várias oscilações no total de crédito concedido.

Esse total atingiu em setembro o máximo de ano, cifrando-se em 3,335 biliões de kwanzas (22,3 mil milhões de euros), renovados em setembro, para 3.445 (23,1 mil milhões de euros), de acordo com os dados do banco central angolano.

Deste total, 640,7 mil milhões de kwanzas (4,3 mil milhões de euros) – um aumento superior a 3% face a agosto – correspondem a crédito concedido ao setor do comércio por grosso e retalho, logo seguido pelas atividades ligadas ao imobiliário e serviços de construção, com 479 mil milhões de kwanzas (3,2 mil milhões de euros).

O crédito total concedido diretamente a particulares, segundo os dados do BNA, elevou-se 2,4% em setembro, para 666,1 mil milhões de kwanzas (4,4 mil milhões de euros).

OJE

Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

Premium“Para quem não tenha notado, a Rússia vai ficar ali” e a segurança da Europa passa por lá

As palavras do presidente francês cairam mal na invadida Ucrânia e nos longínquos EUA. Entretanto, ninguém sabe quais serão as consequências da decisão sobre petróleo russo.

PremiumPaíses ocidentais com fortes reservas face à coligação em Israel

A colocação de um extremista, racista e adepto da violência na direção do ministério que trata da segurança interna do país é considerado um desastre em potencial. A não ser que Netanyahu queira fazer com Itamar Ben-Gvir o mesmo que fez há uns anos com Ben Gantz.