Credor estrangeiro avança em Hong Kong com petição de liquidação contra Evergrande

Num comunicado enviado à Bolsa de Hong Kong, onde está cotada, a Evergrande indicou que o autor é a Top Shine Global Limited, uma empresa registada em Samoa e propriedade do investidor local Lin Ho Man.

(Photo by Alex Tai/SOPA Images/LightRocket via Getty Images)

Um credor estrangeiro apresentou uma petição de liquidação contra o endividado gigante imobiliário chinês Evergrande junto do poder judicial de Hong Kong.

Num comunicado enviado à Bolsa de Hong Kong, onde está cotada, a Evergrande indicou que o autor é a Top Shine Global Limited, uma empresa registada em Samoa e propriedade do investidor local Lin Ho Man.

A empresa disse que a petição de liquidação diz respeito a uma “obrigação financeira” no valor de 862,5 milhões de Hong Kong dólares (103,9 milhões de euros), sem fornecer mais pormenores.

A Evergrande garantiu que vai “opor-se vigorosamente” ao processo, e espera que este não tenha qualquer impacto nos planos de reestruturação ou no calendário que tem para os apresentar, mantendo o prazo até ao final de julho.

Na mesma informação à bolsa, o conglomerado confirmou que as suas ações vão permanecer suspensas da negociação, o que se arrasta desde 21 de março, um dia antes de reconhecer que não conseguia apresentar a tempo a declaração de rendimentos para 2021 devido ao “grande número de procedimentos de auditoria” que enfrentava.

O poder judicial de Hong Kong informou no ‘site’ que o julgamento que opõe a Top Shine Global Limited e a Evergrande terá lugar a 31 de agosto.

Embora Hong Kong pertença à China, como região semiautónoma, depois do fim da era colonial britânica há 25 anos, o poder judicial local funciona independentemente do do continente.

A Evergrande fez manchetes em 2021, quando acumulou dívidas superiores a 300 mil milhões de dólares (284 mil milhões de euros), juntamente com uma crise de liquidez que a levou a falhar algumas das obrigações.

A situação financeira de muitas empresas imobiliárias chinesas piorou, depois de Pequim ter anunciado, em agosto de 2020, restrições no acesso ao financiamento bancário para promotores como a Evergrande, que acumulara um elevado nível de endividamento ao apoiar o crescimento durante anos em políticas agressivas de alavancagem.

As autoridades chinesas já intervieram na empresa, que anunciou, em janeiro, a apresentação aos credores de uma “proposta preliminar de reestruturação” no prazo de seis meses.

Recomendadas

Supremo decide a favor de sindicato e TAP terá de pagar 50 milhões

O Sindicato dos Pilotos da Aviação Civil (SPAC) confirmou esta sexta-feira que foi notificado pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ), que decidiu a seu favor numa ação judicial que custará mais de 50 milhões de euros à TAP.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta sexta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta sexta-feira.

Escassez de trabalhadores no turismo? AHRESP apresenta nove medidas para resolver o problema

Desde a criação de estratégias criativas para atrair e reter profissionais à elaboração de um ‘Livro Verde do Mercado do Trabalho HORECA’, conheça as medidas apresentadas pela Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal.
Comentários