Crescer? Quiçá com um pacote leve de austeridade

Como a pandemia continua a prejudicar o crescimento económico, quantas mais medidas de incentivo poderão ser utilizadas antes de ressurgirem os temidos cortes profundos ?

A economia portuguesa tem enfrentado muitos desafios desde o lançamento do euro em 1999 e agora vê-se perante a possibilidade de uma segunda vaga de Covid-19 que se alastra em parte da Europa e que pode ter um efeito devastador na economia portuguesa.

Após o colapso financeiro global de 2008/2009, Portugal encontrou-se profundamente endividado e tornou-se pouco competitivo na Europa. Em 2011, com a falta de crescimento e com um plano de austeridade, Portugal precisava de um pacote de resgate de quase 80 mil milhões de euros da UE no meio da crise do euro. As preocupações com o resgate foram contestadas veementemente por muitos colegas e agências internacionais.

O Banco Central Europeu, a Comissão Europeia e o Fundo Monetário Internacional forneceram o resgate a Portugal. Como resultado, um pacote de austeridade robusto, mas forçado, foi introduzido baseado em medidas severas e cortes nos gastos públicos.

As medidas de resgate foram postas em prática para aumentar a jornada de trabalho, reduzir feriados e pagamentos de férias e cortes profundos nos salários e pensões. Gastos com a saúde pública e educação foram diminuídos e os jovens foram encorajados a deixar o país para trabalhar. Isso teve um efeito terrível no moral do povo português e na economia em geral, uma vez que os gastos dos consumidores e o investimento em novos negócios e o desenvolvimento diminuíram.

No final do resgate de três anos da UE, o governo comprometeu-se a manter reformas que colocariam o país de volta no caminho da prosperidade, apesar de reconhecer que ainda havia obstáculos e mudanças culturais pela frente.

Em 2015, os portugueses e a economia precisavam de um impulso. A mudança estava no horizonte e um recém-eleito primeiro-ministro António Costa estava pronto para fazer mudanças. Embora os opositores de Costa o avisassem sobre a reversão do programa de austeridade previamente acordado, ele foi capaz de caminhar na corda bamba do crescimento por meio de investimentos, lentamente revertendo os programas de austeridade e mantendo a disciplina fiscal.

Em 2017, o PIB apresentava uma taxa de crescimento de 2,7% e um desemprego de 6,8%, metade do registado anteriormente. Estas mudanças começaram a ter um impacto profundo na população e na economia de Portugal e tornaram-se contagiosas: um aumento nos gastos do consumidor em bens de capital e luxo, juntamente com um otimismo recém-descoberto nos negócios do país.

Produtos e startups cresceram como resultado de um forte nacionalismo e a posição comercial de Portugal melhorou em mais de 50% desde 2008, em quase 20 mil milhões de euros. Este facto foi evidenciado pelo recente boom tecnológico, uma vez que Portugal se tornou um inesperado centro de desenvolvimento de tecnologia. O número de programadores profissionais aumentou 16,2%, a taxa mais rápida de toda a Europa. Em 2018, esse sentimento de nacionalismo criou uma enorme procura no turismo, um grande gerador de receitas, que aumentou 12%, para 12,7 milhões de pessoas.

Uma pandemia mundial pode mudar tudo

À medida que nos aproximávamos da nova década, a economia portuguesa avançava em direção ao crescimento contínuo e até recebia a tão necessária atualização da Moody’s de status de lixo para grau de investimento. Esta boa notícia veio apesar de Portugal ter elevadas taxas de população inativa e um envelhecimento populacional em constante aumento de 37,9 em 2000 para 46,2 em 2020 – um sinal claro de que a geração millennial continuou a fugir do país em busca de novas oportunidades. Mas esse não era o único problema no horizonte.

Embora os primeiros indicadores parecessem apontar que Portugal estaria a escapar do peso da Covid-19, as coisas rapidamente evoluíram e acompanharam os restantes países europeus. No início de março, os eventos públicos e culturais, bem como a educação presencial, foram suspensos. Lojas não essenciais foram fechadas e foi introduzida uma limitação à interação com o público. Como esperado, a confiança do consumidor e da indústria caiu significativamente em abril, as viagens e a cultura foram imediatamente afetadas e a indústria da construção perdeu empregos.

Um abrandamento global em 2020 tornou-se assim inevitável, podendo mesmo ultrapassar o período de 2008-2011. Espera-se mais uma vez que o sistema de saúde em Portugal se torne alvo de contenção e de redução de custos. Com a expectativa de redução do PIB geral em 9,4% num cenário de uma fase única, uma segunda vaga de infeções representaria uma contração de 11,3%. O impacto da segunda vaga também adiaria uma recuperação até o final de 2021, prolongando o enfraquecimento das exportações, aumentando a incerteza, o desemprego e o aumento da dívida pública.

O Governo agiu rapidamente para conter alguns dos desafios que os consumidores e empresas estão a enfrentar. Um forte plano de apoio económico pós-confinamento, um esquema de lay-off para combater o desemprego, diferimentos de impostos e previdência social, juntamente com garantias para negócios estão a ajudar. Porém, como a pandemia continua a prejudicar o crescimento económico, quantas mais medidas de incentivo poderão ser utilizadas antes de ressurgirem os temidos cortes profundos ?

À medida que a economia portuguesa tenta evitar esta pandemia global, o seu melhor modelo de crescimento poderá ser o que funcionou melhor no passado: um programa leve de austeridade e um investimento geral em setores de crescimento da economia. Agora, Portugal precisa permanecer alerta e demonstrar que o sistema de saúde está preparado para este aumento adicional de casos.

Recomendadas

A solidão que tanta falta nos faz

O que acontece quando a vida em conjunto se torna uma escolha forçada e a única alternativa? O que acontece quando escolhemos, de forma constante, abdicar da nossa privacidade?

Proibido poupar

Uma sociedade que oprima a poupança e reduza o indivíduo a uma máquina de consumo será, indubitavelmente, opressora.

A crise da habitação e o papel do Estado

A banca e o supervisor podiam ter evitado a excessiva utilização de créditos à habitação com taxa variável.
Comentários