PremiumCrescimento da economia camufla subida da dívida pública

O endividamento é o calcanhar de Aquiles da economia portuguesa e um tema que continua a dividir o Governo e os críticos. O rácio em relação ao PIBestá melhor, mas o valor absoluto continua a crescer. Analistas misturam aplausos com alertas.

O exercício não tem sido fácil para António Costa e para Mário Centeno. Se, por um lado, têm de gabar o que consideram o brilharete da redução do peso da dívida pública na economia este ano, por outro, são obrigados a defenderem-se da realidade que o valor absoluto da dívida não pára de crescer. Em julho deste ano, o primeiro-ministro foi questionado sobre um novo recorde atingido no valor do endividamento. António Costa respondeu que a trajetória da dívida é conhecida e que em 2018, pelo segundo ano consecutivo, Portugal vai reduzir a dívida. Foi uma resposta pouco concreta.

Portugal deverá conseguir este ano baixar o rácio da dívida pública face ao Produto Interno Bruto (PIB), para  121,2%, a quarta descida seguida, numa tendência iniciada pelo Governo anterior. No entanto, se olharmos pelo prisma do total da dívida, e não apenas do rácio, o país não vai conseguir reduzir o valor este ano. António Costa salientou em julho que a evolução da dívida mede-se anualmente e não pela conjuntura do mês, “porque as operações são diversas ao longo do ano”. Segundo dados divulgados pelo Banco de Portugal esta semana, a dívida das administrações públicas atingiu um novo máximo em outubro, nos 251 mil milhões, face aos cerca de 243 mil milhões no final de 2017.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

Macau renova licenças às seis atuais operadoras de casinos no território

MGM Grand Paradise, Galaxy Casino, Venetian Macau, Melco Resorts (Macau), Wynn Resorts (Macau) e SJM Resorts viram as propostas aprovadas.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários