Crescimento da economia portuguesa deve abrandar para 1,7% em 2019, diz Edmond de Rothschild

O grupo suiço vê a desaceleração das economias da zona euro como principal causa do abrandamento em Portugal. Alertou ainda que o endividamento permanece elevado e poderá representar um risco no caso de uma desaceleração excessivamente abrupta na atividade económica”.

Peter Nicholls/Reuters

A expansão da economia portuguesa deverá abrandar para 1,7% em 2019, abaixo dos 2,2% previstos pelo Governo, segundo o grupo suiço Edmond de Rothschild, que atribui a travagem à desaceleração da atividade nas economias da zona euro, que são as principais parceiras comerciais de Portugal.

“Enquanto Portugal tem  beneficiado de uma melhoria significativa na competitividade ao nível dos preços (devido a uma queda nos custos do trabalho) e de uma subida para segmentos mais upmarket (especialmente no setor têxtil), estes esforços não devem ser suficientes para compensar a desaceleração da atividade nos principais parceiros comerciais”, explicou o grupo baseado em Genebra, numa nota de research publicada esta terça-feira.

A Edmond de Rothschild – que é especializada na atividade do private banking e da gestão de ativos, mas também opera no corporate finance, private equity e admininistração de fundos – recordou que 25,2% das exportações portuguesas são para Espanha,  12,5% para França, 11,4% para a Alemanha e 6,6% para o Reino Unido.

“Devido à dependência da economia portuguesa no setor exportador, que representou 46% do Produto Interno Bruto em 2017, prevemos que o crescimento abrande para 1,7% em 2019 e 1,5% em 2020”.

No Orçamento do Estado para 2019, o Governo inscreveu a meta de crescimento para o próximo ano nos 2,2%, uma quebra ligeira face aos 2,3% que estima para 2018. Várias instituições internacionais têm previsões que ficam abaixo da do Governo – o Fundo Monetário Internacional antecipa uma expansão de 1,9%, enquanto a Comissão Europeia prevê uma de 1,8%.

As agências de rating têm divulgado visões ainda mais pessimistas. A Fitch, por exemplo, no final do mês passado anunciou que espera que o PIB português cresça 1,5% e sublinhou que a diminuição do contributo do setor privado e da procura externa deverão provocar o abrandamento.

A Edmond de Rothschild recordou que a desaceleração da economia portuguesa começou no primeiro semestre de 2018, também devido a menor pujança das exportações, e salientou ainda que “a inflação tem tido impacto no poder de compra real, contribuindo para um aumento do consumo no setor privado”.

Segundo o grupo suiço, desde de ter tomado posse em 2015, o Governo tem aproveitado as condições económicas e financeiras favoráveis para acelerar o crescimento, reduzir o défice público e a taxa de desemprego.

Alertou, no entanto, que a desaceleração contínua do crescimento económico na zona euro irá contribuir para fundamentais menos favoráveis, “enquanto o endividamento do setor privado e do público permanece elevado e poderá representar um risco no caso de uma desaceleração excessivamente abrupta na atividade económica”.

 

Relacionadas

Fitch mantém notação de Portugal em ‘BBB’ e perspetiva estável

A agência de notação sublinhou que os desenvolvimentos económicos e orçamentais desde a última avaliação continuam a sustentar uma tendência “firme” na descida da dívida pública, mas alertou que as dinâmicas do endividamento poderão ser afetadas negativamente por algumas medidas não-recorrentes.

FMI menos otimista que o Governo, prevê défice de 0,4% para 2019

Estimativa do FMI sobre o défice do próximo ano situa-se dois pontos percentuais acima da meta do Governo, mas abaixo da previsão de 0,6% da Comissão Europeia. FMI prevê ainda que a economia portuguesa deverá crescer 2,2% em 2018 e abrandar para os 1,8% em 2019.

Bruxelas revê em baixa expansão da economia portuguesa e espera défice de 0,6% em 2019

A Comissão Europeia identifica factores externos como a principal causa no desacelerar do crescimento do PIB em Portugal. Nas previsões de outono, Bruxelas mostra-se mais pessimistas que o Governo em relação ao défice público de 2019.
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quinta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quinta-feira.

Bruxelas favorável a limite de preço para gás russo

“A Europa enfrenta a chantagem energética da Rússia, e a procura global de gás é mais elevada do que a oferta. Precisamos de trabalhar ao longo de toda a cadeia para enfrentar o desafio. Primeiro, temos de agir no ponto em que o gás entra no nosso mercado. Estamos a negociar com os nossos fornecedores fiáveis de gás de gasoduto. Se isto não trouxer resultados, então é possível um preço máximo”, declarou a comissária.

Governo reconhece necessidade de “valorizar salários” e espera acordo na Concertação Social

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares discursava no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa, no âmbito da conferência “Em nome do futuro: os desafios da juventude”, organizada pela Santa Casa da Misericórdia e pela Rádio da Renascença.
Comentários