Crescimento do volume de negócios nos serviços desacelera em outubro

Em outubro de 2017, o Índice de Volume de Negócios nos Serviços aumentou 6,8% (variação homóloga) – crescimento superior em 2,5 p.p. ao registado em setembro de 2017.

O índice de volume de negócios nos serviços passou de um crescimento homólogo de 6,1% em setembro para 4,7% em outubro, segundo dados hoje divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

De acordo com o INE, as secções que mais contribuíram para a variação do índice agregado foram a de transportes e armazenagem e a de comércio por grosso, reparação de veículos automóveis e motociclos, em resultado de variações homólogas de 10,0% e 1,8% (11,4% e 3,9% em setembro, pela mesma ordem).

A secção de alojamento, restauração e similares apresentou, por sua vez, a variação homóloga mais intensa em outubro (12%).

Comparativamente com o mês anterior, o índice de volume de negócios nos serviços registou uma taxa de variação de 0,8 (-0,3% em setembro).

Os índices de emprego, de remunerações brutas e de horas trabalhadas aumentaram ambos 4% (3,5% e 4,1% em setembro, respetivamente), enquanto o índice de horas trabalhadas ajustado de efeitos de calendário apresentou uma variação homóloga de 4,1% (3,4% no mês anterior).

Recomendadas

Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

O INE divulga hoje as estatísticas de rendas da habitação ao nível local no segundo trimestre do ano, os inquéritos de conjuntura às empresas e aos consumidores deste mês e ainda as estimativas mensais de emprego e desemprego referentes ao mês de agosto. Nos EUA, faz-se inventário ao crude, aos destilados e aos combustíveis.

Cinco milhões para ações de emergência na serra da Estrela até final do ano

O ministro do Ambiente e da Ação Climática, Duarte Cordeiro, disse que o Fundo Ambiental disponibiliza, até ao final do ano, cerca de cinco milhões de euros para ações de emergência.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.
Comentários