Crescimento económico abranda até 2021 com desaceleração das exportações

Banco de Portugal realça que abrandamento das exportações no primeiro semestre de 2018 foi comum à zona euro. No Boletim Económico de dezembro, antecipa ainda que o crescimento do PIB se deverá fixar em 1,6% em 2021.

A economia portuguesa continuará a crescer, mas a um ritmo mais lento até 2021, refletindo a desaceleração das exportações, segundo as previsões do Banco de Portugal (BdP). O regulador reviu em baixa as projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2018 e 2019, face às estimativas de junho e outubro, e antecipa um crescimento de 1,6% em 2021.

“A economia portuguesa deverá prosseguir uma trajetória de crescimento da atividade, embora em desaceleração, no horizonte 2018-21, em linha com as projeções para o mesmo período publicadas para o conjunto da área do euro pelo Banco Central Europeu (BCE)”, explica o BdP, no Boletim Económico de dezembro, divulgado esta terça-feira.

O BdP antecipa um crescimento de 2,1% em 2018, 1,8% em 2019, 1,7% em 2020 e 1,6% em 2021 e salienta a revisão em baixa do crescimento das exportações.

“O enquadramento externa da economia portuguesa deverá permanecer relativamente favorável. Após um crescimento significativamente superior ao da atividade em 2017 e 2018, o comércio internacional deverá apresentar uma evolução mais próxima da do PIB mundial, implicando uma relativa estabilidade do crescimento da procura externa dirigida a Portugal em 2019-2021”, identifica. Neste sentido, as exportações deverão crescer 3,6% em 2018, 3,7% em 2019, 4% em 2020 e 3,6% em 2021.

O regulador sublinha que as exportações de bens e serviços foram a componente que mais contribuiu para a recuperação da economia portuguesa depois da crise e que a tendência se deverá manter até 2021. “No final do horizonte de projeção as exportações em termos reais deverão atingir um crescimento de cerca de 70% face ao nível observado antes da crise financeira internacional. O peso deste agregado no PIB deverá ser próximo de 50% em 2021”, assinala o BdP.

Desaceleração das exportações comum à zona euro 

O Boletim Económico explica ainda que o abrandamento das exportações no primeiro semestre de 2018 foi comum à zona euro, num contexto de desaceleração da atividade global e de tensões comerciais associadas ao anúncio de políticas protecionistas.

“No entanto, enquanto na área do euro este abrandamento foi extensível aos bens e serviços, em Portugal ficou concentrada nos serviços, em larga medida devido ao impacto positivo do aumento da capacidade produtiva de uma unidade de produção do setor automóvel sobre as exportações de bens”, salienta, acrescentando que este setor e o de bens energéticos estão na origem de alguns efeitos temporários.

Segundo as estimativas do regulador, as exportações de serviços deverão ter voltado a desacelerar na segunda metade deste ano, sendo a componente com maior contributo para o abrandamento das exportações totais em 2018, embora mantendo uma taxa de crescimento elevada.

Já para o período entre 2019 e 2021, prevê-se uma evolução das exportações “em linha com as hipóteses para a procura externa dirigida à economia portuguesa”, devendo apresentar uma trajetória estável.

O BdP destaca ainda que “a economia portuguesa deverá manter uma situação de capacidade de financiamento face ao exterior”, uma vez que o saldo das balanças corrente e de capital se deverá situar em 1,3% do PIB entre 2018 e 2020, aumentando para 1,6% em 2021.

“No entanto, antecipa-se uma alteração de composição, já que a redução do saldo da balança de bens e serviços será compensada pela evolução da balança de rendimento primário e de capital”, acrescenta.

Relacionadas

Turismo volta a crescer e já representa 13,7% do PIB nacional

Este resultado evidencia um crescimento de 14,5% face a 2016, ano em que o consumo turístico em Portugal valia 12,5% do PIB.

PIB per capita de Portugal é o quarto mais baixo da zona euro

Os dados revelados esta quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pelo Eurostat mostram que a riqueza gerada por habitante caiu, apesar de a economia ter crescido no ano passado ao ritmo mais elevado desde 2000.

Economia está mais resiliente, mas há “significativas fontes de risco sistémico”, diz BdP

No relatório de Estabilidade Financeira, publicado esta quarta-feira, o Banco de Portugal identifica a atual conjuntura internacional como fonte de pressão para a economia portuguesa.
Recomendadas

PremiumEUA e zona euro vão ter uma “aterragem dura” na pista da recessão no próximo ano

A subida das taxas de juro para controlar a inflação vai ter forte impacto na economia em 2023. Alemanha afunda acima da média, com China a crescer acima do previsto.

PremiumJoão Caiado Guerreiro: “Os vistos gold têm sido extremamente positivos para o país”

Área de Imigração deverá continuar a ser das mais dinâmicas da Caiado Guerreiro, apesar do anunciado fim dos vistos ‘gold’. Processo para cobrar cinco milhões de euros em honorários à Pharol vai a julgamento em fevereiro.

Custo de cabaz alimentar de bens básicos aumentou 21% para adultos num ano, diz BdP

O banco central revela que entre outubro de 2021 e outubro de 2022, o custo mensal médio e mediano de um cabaz básico de consumo alimentar para um adulto com cerca de 40 anos aumentou 21% e 24%, respetivamente.
Comentários