Criptomoedas afundam em 2022 com ataques informáticos e ameaças de restrições

No primeiro dia do ano de 2022 a Bitcoin transacionava a 41.597 euros, nesta segunda-feira está a transacionar a 29.479 euros por Bitcoin. Uma queda de mais de 27% em 24 dias de transação que eliminou mais de 220 mil milhões de euros da capitalização de mercado da moeda.

Euro coins are seen in front of a displayed stock graph in this photo illustration taken in Zenica, Bosnia and Herzegovina, June 30, 2015. Picture taken on June 30, 2015. REUTERS/Dado Ruvic – GF10000145014

As maiores criptomoedas têm sofrido bastante em 2022 vendo o seu valor descer mais de 27% no caso da Bitcoin e mais de 40% no caso da Ethereum desde o início do ano. Esta queda vem depois do Banco Central da Rússia ter recomendado a ilegalização do uso de qualquer criptomoeda. Para além disso, o ataque à popular exchange de criptomoedas crypto.com que roubou mais de 31 milhões de dólares (27,4 milhões de euros) em Bitcoin traz de volta a discussão sobre a segurança destes ativos.

No primeiro dia do ano de 2022, a Bitcoin transacionava a 41.597 euros mas esta segunda-feira está a transacionar a 29.479 euros por Bitcoin. Uma queda de mais de 27% em 24 dias de transação que eliminou mais de 220 mil milhões de euros da capitalização de mercado da moeda. No mesmo dia, a Ethereum transacionava a 3.300,36 euros e nesta segunda-feira está a transacionar a 2.138,04 euros. No caso da Ethereum, a diminuição da capitalização de mercado foi superior a 157 mil milhões de euros.

Estas quedas são resultado de dois fatores principais. O primeiro surge com a intenção do Banco Central da Rússia de banir qualquer uso de qualquer criptomoeda no país. Recorde-se que a Rússia é hoje o terceiro maior país de mining no mundo.

Finalmente, todo o mercado de criptomoedas foi severamente afetado pelas notícias do mais recente ataque informático às carteiras de Bitcoin dos utilizadores da popular exchange crypto.com afetando assim 400 utilizadores. No total foram roubados mais de 31 milhões de dólares (27,4 milhões de euros). O CEO da empresa, Kris Marszalek, explicou à “BloombergE que a estrutura da empresa é “muito robusta” e que há diversas “camadas de segurança, mas neste caso em particular houve algumas dessas camadas que foram violadas”. Marszalek adicionou ainda que todas as contas foram reembolsadas e que os utilizadores podem estar descansados.

Ainda que o executivo tenha tentado descansar os investidores, o mercado não tem reagido bem.

No primeiro dia do ano, a capitalização de mercado de todo o mercado de criptomoedas era de 2,208 triliões de dólares (1,95 triliões de euros), esta segunda-feira a mesma capitalização de mercado totaliza 1,519 triliões de dólares (1,34 triliões de euros), uma queda de quase 690 mil milhões de dólares (610 mil milhões de euros), ou menos 31,2% em 24 dias.

Relacionadas

Risco de sabotagem de “políticas monetárias” leva Rússia a querer banir Bitcoin e outras criptomoedas  

Num relatório publicado esta quinta-feira, o banco explica que acredita que criptomoedas, incluindo a Bitcoin, tem as características de um esquema de pirâmide e que pode sabotar a independência das políticas monetárias.
Recomendadas

Wall Street termina semana apenas com Nasdaq a negociar em terreno negativo

O aumento das taxas de juros , a alta inflação, a guerra na Ucrânia e a desaceleração da economia chinesa castigaram as ações e levantaram preocupações sobre uma possível recessão nos EUA.

Intermediários financeiros receberam ordens no valor de 22 mil milhões em março

Houve um decréscimo de 48,3% face a fevereiro. Desde o início do ano o valor das ordens aumentou 227,9% face a igual período do ano passado, avança a CMVM.

Do PIB que mais cresce na Europa à tecnológicas. Veja as escolhas da semana no “Mercados em Ação”

Conheça as escolhas da semana do programa da plataforma multimédia JE TV, numa edição que contou com a análise de Nuno Sousa Pereira, head of investments da Sixty Degrees.
Comentários