Criptomoedas, impostos e volatilidade vão determinar investimentos em 2018

Depois de um ano de ganhos, 2018 poderá trazer correções nas ações globais. Apesar disso, os gestores de ativos vêem um futuro risonho para a Europa.

Paulo Whitaker/Reuters

O ano que termina foi de ganhos e baixa volatilidade nos índices acionistas, mas esse cenário pode não sobreviver ao réveillon. Numa sondagem da agência Bloomberg com gestores de ativos indica que criptomoedas, mudanças nos impostos e volatilidade vão marcar os investimentos e poderão levar a uma correção nos índices, no ano que vai entrar.

A retirada dos estímulos monetários por vários bancos centrais do mundo, incluindo a diminuição da folha de balanço pela Reserva Federal dos EUA ou a diminuição da compra de obrigações pelo Banco Central Europeu (BCE), poderá ser a principal causa para uma descida dos preços dos ativos. Segundo o hedge fund manager Paul Tudor Jones, a baixa volatilidade está a tornar-se “perigosa” levando a uma falsa sensação de complacência do mercado.

As criptomoedas serão, inevitavelmente, um dos principais temas de 2018, sendo que o co-fundador do hedge fund Silver 8 Capital, Jose Suarez, disse à Bloomberg esperar um ETF de bitcoin no próximo ano. “Os futuros já estão a dar mais legitimidade à classe de ativos e os ETF vão dar ainda mais, portanto mais investidores institucionais vão incluí-la nos seus portefólios”, disse. “Mesmo assim, a questão da supervisão tem de ser resolvida”.

Outro tema incontornável são as políticas de Donald Trump e, em especial, a reforma nos impostos. A nova lei dos impostos está prestes a ser aprovada e vai implicar a redução dos impostos para as empresas para 21%, dos anteriores 35% a partir de dia 1 de janeiro, o que se espera que leve a um aumento dos lucros das empresas no próximo ano. Segundo o hedge fund Roubaix Capital, a reforma fiscal “vai ser o evento fiscal mais significativo” para as ações small-cap.

No que diz respeito à Europa, os gestores de ativos vêem um futuro risonho, sendo que a unidade de investimento do UBS sublinha que “há preços relativamente baixos nos créditos bancários com oportunidades interessantes em bancos na Alemanha, França e Espanha”. No entanto, o peso do crédito mal-parada nos bancos europeus poderá penalizar os ativos, numa altura em que as instituições financeiras terão de lidar com a entrada em vigor da nova regulamentação europeia MiFID II.

Relacionadas

Quem vai beneficiar com corte nos impostos nos EUA? Banca, refinação e aviação

As empresas norte-americanas deverão ver os lucros a subirem no próximo ano devido à reforma fiscal, mas determinados setores vão ser especialmente beneficiados. As empresas europeias poderão receber ganhos de forma indireta.

BCE: Reinvestimento de 130 mil milhões de euros vai apoiar o ‘tapering’ em 2018

Apesar da diminuição da compra de ativos a partir de janeiro, o Banco Central Europeu vai reinvestir 7% do stock atual de obrigações da zona euro ao longo de 2018, uma vertente da política monetária europeia que os analistas do Allianz GI acreditam vai ganhar destaque no próximo ano.

Bitcoin é uma das maiores ameaças ao mercado em 2018, diz Deutsche Bank

O Deutsche Bank publicou uma apresentação sobre moedas digitais e diz que “classificamos as criptomoedas como um investimento de risco porque os aumentos de preços recentes são, em parte, baseados em especulações. A volatilidade é muito alta e atingiu 80% e o setor geralmente não está regulado … existe um risco apreciável de grandes perdas”.
Recomendadas

Comparadora de seguros HelloSafe recebe mais quatro milhões para expandir em Portugal

“Este financiamento irá apoiar a nossa ambição de nos tornarmos a plataforma internacional número um em Portugal para comparar produtos financeiros e de seguros”, diz Oleksiy Lysogub, cofundador da empresa canadiana. ‘Insurtech’ vai contratar 40 pessoas.

Saiba que tipo de informação é dada pela nova etiqueta energética

A informação que consta da etiqueta varia conforme o equipamento, mas existe um conjunto de informação comum.

Saiba em que consiste a etiqueta energética e a sua importância na compra de equipamentos elétricos

A nova etiqueta energética já é uma realidade no nosso mercado. Os consumidores precisam de conhecer esta ferramenta, útil e intuitiva, para escolher os seus eletrodomésticos de forma esclarecida e eficiente.
Comentários