PremiumCrise ameaça comércio, mas turistas podem ajudar

O comércio regressou aos níveis pré-pandemia, mas há agora novas pressões: a escalada dos preços e a energia. O futuro é incerto e os sinais atuais não geram otimismo, avisam economistas. Turistas podem, ainda assim, mitigar riscos, desde que “as coisas corram bem”.

Foi um dos sectores mais afetados pelas restrições que ficaram associadas à crise pandémica, mas também um dos que mais beneficiou do levantamento dessas medidas. O comércio e a restauração têm vivido, assim, nos últimos meses, tempos de recuperação, à medida que a vida tem voltado ao “normal” e que as compras adiadas têm passado a concretizadas, mas o futuro não é o mais risonho.

A escalada dos preços e a crise energética já pressionam e preocupam o sector, e os economistas antecipam que os próximos meses poderão ser sinónimo de um agravamento da situação, especialmente se a Rússia cortar a torneira do gás que alimenta a Europa. Já os turistas poderão compensar, pelo menos, em parte a perda de receita proveniente dos consumidores nacionais causada pela inflação, mas é preciso “que as coisas corram bem” e que até o clima colabore.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.
Comentários