Crise da dívida não explica queda do GES, frisa Teixeira dos Santos

O antigo ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, afastou hoje a possibilidade de a crise da dívida soberana ter sido a grande responsável pelo colapso do Grupo Espírito Santo (GES). “Não me parece que essa possa ser uma explicação”, afirmou perante os deputados que integram a comissão de inquérito à gestão do Banco Espírito […]

O antigo ministro das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, afastou hoje a possibilidade de a crise da dívida soberana ter sido a grande responsável pelo colapso do Grupo Espírito Santo (GES).

“Não me parece que essa possa ser uma explicação”, afirmou perante os deputados que integram a comissão de inquérito à gestão do Banco Espírito Santo (BES) e do GES.

Segundo o ex-governante, “a exposição à dívida soberana do BES é algo que, com certeza, teve impacto no seu desempenho financeiro, tal como nos outros bancos”, mas “o BES não esteve exposto de forma diferenciada de outras instituições, porque é frequente que as instituições bancárias detenham dívida pública”.

Teixeira dos Santos sublinhou que o agravamento da situação da dívida soberana ocorreu principalmente em 2011 e na primeira metade de 2012, e que foi isso que levou o conselho europeu a avançar em junho de 2012 com a União Bancária e à célebre declaração de Draghi de que tudo faria para salvar o euro.

“Se a dívida pública fosse capaz de criar uma situação dessa natureza, não seria nesse prazo. Há um ‘timing’ [na derrocada do GES] que não joga com a evolução dos ‘spreads’ da dívida pública”, realçou.

E acrescentou: “Os problemas com que os bancos se têm confrontado nos últimos dois anos são o estreitamento da sua margem financeira, que afeta a sua rendibilidade. E o outro fator que afetou muito a banca foi o aumento do crédito de cobrança duvidosa”.

O responsável vincou que este indicador, “devido à crise, aumentou de 5% em 2011 para 14% em 2013.

A audição de Teixeira dos Santos abre um dia em que as luzes do holofote da comissão mudam dos supervisores (já foram ouvidos o governador do BdP, Carlos Costa, bem como Carlos Tavares, líder da CMVM, e José Almaça, presidente do Instituto de Seguros de Portugal) para a esfera política.

À tarde, a partir das 15:00, será a vez de a comissão contar com a participação da ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque.

 

OJE/Lusa

Recomendadas

Portugal com maior subida de carga fiscal na OCDE. “Não é uma liderança que nos orgulha”, afirma Marques Mendes

O comentador apontou o facto de que em 2010, a carga fiscal nacional correspondia a 30,4% do PIB e onze anos depois subiu para 35,8%. “Está claramente acima da média da OCDE que está neste momento nos 34,1%”, referiu.

Bruxelas com resposta adequada às “distorções” da lei da inflação nos EUA

A presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, prometeu este domingo uma resposta “adequada e bem calibrada” para mitigar as “distorções” da lei norte-americana para a redução da inflação.

Conferência “Poupar e Investir para um Futuro Melhor” a decorrer em Lisboa, com o apoio do Jornal Económico

A conferência é organizada pela Optimize Investment Partners, sociedade gestora portuguesa que disponibiliza uma gama de soluções de investimento para diversos perfis de risco e objetivos. Moderada por Nuno Vinha, subdiretor do Jornal Económico, consiste numa palestra de 30 minutos de cada um dos quatro oradores, um coffee break e uma mesa redonda com espaço para perguntas e respostas e interação com a plateia.