Crise energética. CGD limita luzes de Natal na sede

Apenas a fachada principal da sede da Caixa Geral de Depósitos estará iluminada este ano, devido à crise energética, anuncia o banco. A ficha será desligada às 22h00, todos os dias.

Caixa Geral de Depósitos

A Caixa Geral de Depósitos terá uma iluminação de Natal mais contida este ano, em virtude da crise energética, revela o banco. Ao contrário do que acontece em anos anteriores, em que as duas fachadas da Avenida João XXI estavam iluminadas, este ano será apenas a fachada principal a ser decorada. Na mesma linha, as luzes serão apagadas diariamente às 22h00, garante a empresa.

O banco assegura que “não é de agora que acompanha os esforços de racionalização do consumo energético”. Neste sentido, diz, “tem vindo a reformular os letreiros das agências por todo o país e restante imagem corporativa nos seus edifícios, adotando sistemas de iluminação LED, à semelhança do que já tinha feito no passado para todos os sistemas de iluminação interior”, que passaram a ser desligados às 22h00 no inverno e às 23h00 no verão.

As alterações, garante o banco, têm permitido “níveis de poupança energética consideráveis, sem prejuízo de todas as outras medidas de eficiência energética que têm sido adotadas”. Entre essas, a CGD destaca a redução do consumo energético com a climatização dos espaços, através da adoção de valores máximos de temperatura no inverno e mínimos de temperatura no verão.

A cobertura da sede da CGD tem, desde 2008, centenas de painéis solares fotovoltaicos instalados. Na altura, o projeto chegou a ser a maior central solar térmica do país, recorda a entidade bancária.

Várias empresas têm anunciado medidas semelhantes para fazer face aos crescentes custos energéticos, com o tom da iniciativa a ser tomado por alguns municípios este Natal.

Recomendadas

Governo aprova extinção do fundo de pensões da Caixa

A extinção do fundos de pensões da CGD já está aprovada. Os beneficiários não serão, contudo, prejudicados, já que as responsabilidades passam para a CGA.

Taxa média dos novos depósitos atinge 0,35%, a mais baixa da zona euro

Enquanto a remuneração dos depósitos continua baixa, a taxa de juro dos novos empréstimos para a compra de casa fixou-se em 3,24% em 2022, um máximo desde julho de 2014.

CEO do Santander Totta revela que são “poucos milhares” com crédito à habitação em risco de incumprimento

No entanto, Pedro Castro e Almeida deixou um alerta: “Se os juros subirem para 4%, vamos ter muito mais reestruturações”. Nesse cenário, este responsável acredita que a economia vai “arrefecer”, adiantando ainda que esse arrefecimento pode ser benéfico para Portugal.
Comentários