Crise energética. EDP estima inverno “sem problemas significantes” mas 2023 é “incógnita”

O presidente executivo da EDP, Miguel Stilwell de Andrade, afirmou hoje que o inverno deste ano deverá ser atravessado “sem problemas significantes com a energia”, sendo 2023 “a maior incógnita” para um setor que necessita de investimento.

“Acho que estamos preparados para o inverno de 2022. O armazenamento está nos máximos, por isso se tivermos um inverno moderado, devemos conseguir passar o inverno sem problemas significantes com a energia. Acho que a maior incógnita é 2023”, disse Miguel Stilwell de Andrade num painel na Web Summit, em Lisboa.

“Não nos esqueçamos que a Rússia cortou o gás para a Europa, depois de terem fornecido durante grande parte do ano de 2022”, acrescentou o CEO da empresa no painel “Totalmente Carregado: Alimentando a Transição para as Energias Renováveis”, onde considerou que 2023 será “um grande ponto de interrogação”.

Stilwell de Andrade considerou ainda que o investimento nas energias renováveis não é suficiente e que deve se deveria estar a investir “o dobro ou o triplo”.

“O problema é que em muitos países não somos capazes de investir tanto quanto gostaríamos”, lamentou, dizendo que “não é falta de capital, não é falta de tecnologia, é só uma questão sobre como é que se pode trazer mais projetos”.

Stilwell de Andrade reforçou que o setor das energias renováveis não precisa de subsídios, mas sim de políticas claras e estáveis.

“Em termos de investimento, precisamos de imenso investimento, mas em termos de incentivos, as renováveis não precisam mais de incentivos ou subsídios. Não precisamos de subsídios, mas precisamos de políticas e regulamentos claros, previsíveis e estáveis. Os investidores nas renováveis querem previsibilidade a longo termo”, apontou.

O presidente executivo da EDP acredita que o setor energético está a atravessar “uma transformação maciça” que se poderá prolongar por várias décadas.

A Web Summit, que arrancou na terça-feira, termina hoje, com a sua sétima edição a atingir o seu máximo de capacidade com 71.033 participantes de 160 países, com o maior número de sempre de ‘startups’ e de investidores.

Recomendadas

Venezuela prepara acordos com petrolífera Chevron após alívio de sanções

A Venezuela anunciou hoje que vai assinar, nas próximas horas, acordos com a petrolífera norte-americana Chevron para impulsionar o desenvolvimento local de empresas mistas (capital público e privado) e a produção de petróleo.

“Via Verde rejeita categoricamente qualquer acusação de burla” que circule no Portal da Queixa

“Sempre que um cliente passa numa portagem e a transação falha, a Via Verde comunica diretamente com o cliente a dar conta de um eventual problema”, justifica. “Este alerta visa sempre proteger os clientes. Se o problema for confirmado, o cliente pode subscrever um plano Via Verde ou, se assim preferir, comprar um identificador novo”, esclarece fonte oficial da empresa ao JE.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.
Comentários