Crise/Energia. Ministros da UE reúnem-se em Conselho extraordinário em 09 de setembro (com áudio)

Os ministros europeus da Energia vão reunir-se num Conselho extraordinário em 09 de setembro, anunciou esta segunda-feira a presidência checa da União Europeia (UE), propondo uma “solução ao nível europeu” para a acentuada crise energética, exacerbada pela guerra.

“Após um fim de semana repleto de negociações, posso anunciar que vamos convocar uma reunião extraordinária do Conselho da Energia. Iremo-nos reunir em Bruxelas no dia 09 de setembro”, anunciou o ministro da Indústria e Comércio da República Checa, Jozef Síkela, numa publicação na rede social Twitter.

Numa altura em que os preços da energia – especialmente do gás – batem máximos e em que a UE teme um corte no fornecimento energético russo devido à resposta europeia à guerra da Ucrânia, Jozef Síkela apontou ser necessário “reparar o mercado energético” comunitário.

“A solução ao nível da UE é, de longe, a melhor que temos”, adiantou Jozef Síkela.

Também através do Twitter, o primeiro-ministro checo, Petr Fiala, indicou que “os preços elevados da energia são um problema à escala europeia, que é necessário resolver ao nível europeu”.

“Falei novamente esta manhã com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen. Antes do Conselho de Energia da UE, queremos encontrar uma forma de ajudar pessoas e empresas, com a qual possamos acordar com os líderes europeus”, concluiu Petr Fiala.

O anúncio desta reunião extraordinária surge quando países como Portugal adotam medidas para aliviar as faturas do gás.

Questionada pela Lusa, a Comissão Europeia defendeu na sexta-feira passada “medidas limitadas” em Portugal no gás, “em termos das quantidades abrangidas”, para evitar um aumento do consumo na UE, embora saudando a proposta do Governo para alargar a regulamentação do mercado.

Em causa está a meta que entrou em vigor em 09 de agosto, na UE, para reduzir voluntariamente 15% do consumo de gás até à primavera de 2023, visando aumentar o armazenamento nos Estados-membros e criar uma ‘almofada’ perante eventual rutura no fornecimento russo.

As tensões geopolíticas devido à guerra na Ucrânia têm afetado o mercado energético europeu, já que a UE importa 90% do gás que consome, sendo a Rússia responsável por cerca de 45% dessas importações, em níveis variáveis entre os Estados-membros.

Em Portugal, em 2021, o gás russo representou menos de 10% do total importado.

Recomendadas

Ucrânia. EUA anunciam novo pacote de 627,3 milhões de euros em ajuda militar a Kiev

O presidente norte-americano, Joe Biden, informou hoje o seu homólogo ucraniano, Volodymyr Zelensky, da concessão de um novo pacote de ajuda militar de 625 milhões de dólares (627,3 milhões de euros).

Governo acompanha caso de portuguesa encontrada morta em França

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português anunciou hoje que os consulados gerais de Estrasburgo e do Luxemburgo estão a acompanhar “com especial atenção” o caso de uma portuguesa encontrada morta em França.

Japão, EUA e NATO condenam disparo de míssil norte-coreano

Estados Unidos, Japão e NATO condenaram hoje o disparo pela Coreia do Norte de um míssil balístico sobre o Japão, comprometendo-se a coordenar uma resposta multilateral à provocação do regime do presidente Kim Jong-un.
Comentários