Crise pandémica acentua redução de passageiros nos transportes no primeiro trimestre de 2021 (com áudio)

O resultado negativo mais flagrante observou-se na movimentação de passageiros da aviação comercial. Nos aeroportos portugueses, a movimentação de passageiros afundou 84,4% no primeiro trimestre de 2021.

A atividade dos transportes nacionais continua a ser penalizada pelo contexto pandémico, com os resultados negativos no transporte de passageiros a acentuar-se no primeiro trimestre de 2021, revelou o Instituto Nacional de Estatística (INE) esta segunda-feira.

“O agravamento da crise pandémica no início do ano corrente determinou que, de forma geral, se tivesse acentuado no primeiro trimestre de 2021 a redução de passageiros, em termos homólogos, nos vários meios de transporte”, lê-se no relatório do INE sobre a atividade dos transportes no primeiro trimestre.

O resultado negativo mais flagrante observou-se na movimentação de passageiros da aviação comercial. Nos aeroportos portugueses, a movimentação de passageiros afundou 84,4% no primeiro trimestre de 2021, face ao primeiro trimestre de 2020. Na comparação com o trimestre anterior (quarto trimestre de 2020), a quebra foi 76,6%.

No caso da atividade dos comboios e dos metropolitanos, o gabinete de estatística nacional verificou que se “acentuaram os decréscimos registados anteriormente (-51,4% e -65,6% face a -42,3% e  54,7% no quarto trimestre de 2020), com totais respetivos de 18,9 e de 20,3 milhões de passageiros movimentados”.

O transporte por via fluvial de passageiros caiu, em termos homólogos, 58,8% entre janeiro e março, totalizando-se 1,8 milhões de passageiros. A quebra compara com os 48,4% verificados no quarto trimestre de 2020.

“O transporte de mercadorias por via aérea e ferroviária registou decréscimos menos acentuados comparativamente com o trimestre anterior: -21,7% no transporte aéreo (-26,1% no quarto trimestre de 2020) e -2,4% no transporte por ferrovia (-3,3% no quarto trimestre de 2020)”, lê-se.

Por via marítima, o transporte de mercadorias caiu 3,6%, enquanto por rodovia se registou um aumento (8,3%).

Recomendadas

OE2023. Maioria dos empresários defende mexidas no IRS

Inquérito da consultora EY conclui que mais de 90% dos empresários defende alterações no IRS para mitigar efeitos da inflação – essencial para suportar o consumo privado. Empresas continuam a dar nota negativa ao sistema fiscal português e face à crise energética sinalizam como medidas prioritárias a descida do IRC e do IVA sobre todos os escalões de consumo de eletricidade consideradas.

OE2023: Conselho de Ministros extraordinário discute documento na terça-feira

O Governo discute em Conselho de Ministros extraordinário na terça-feira a proposta de Orçamento do Estado para 2023, numa reunião que marca o começo do processo de aprovação do documento, que é entregue ao parlamento na segunda-feira.

Mercado Automóvel em Portugal cai 34,7% até setembro

Apesar do mercado automóvel ter caído entre janeiro e setembro, foram matriculados mais 12,8% automóveis no mês passado do que em período homólogo de 2021.
Comentários