Cristas desvaloriza “leituras nacionais” dos resultados das autárquicas

A presidente do CDS-PP assegurou não estar “minimamente preocupada” com “leituras nacionais” dos resultados das eleições autárquicas.

Assunção Cristas, presidente do CDS-PP, assegurou não estar “minimamente preocupada” com “leituras nacionais” dos resultados das eleições autárquicas, avança a agência Lusa.

No encerramento da convenção autárquica promovida pela distrital de Santarém do CDS-PP, realizada em Rio Maior, a líder centrista disse que as autárquicas vão constituir uma “oportunidade” para fazer “uma avaliação do que está a ser o trabalho em todo o país”, embora considere estas eleições “muito específicas”.

Para Assunção Cristas, o ato eleitoral que se realiza no final do próximo ano vai permitir ao CDS afirmar-se “enquanto poder autárquico, mostrar os bons exemplos que tem, replicá-los, ter uma grande ambição, mas com um forte realismo”.

A líder do CDS-PP afirmou que o partido está “empenhado em ter boas candidaturas e candidaturas a pensar no médio e no longo prazo” e que pretende apresentar-se com listas próprias na generalidade dos casos. O CDS-PP poderá também optar por coligações ou pelo apoio a independentes, afirmou Cristas.

Recomendadas

Santana Lopes perspetiva ano económico “muito difícil” em 2023

Santana Lopes mencionou também o aumento “escandaloso” de quatro vezes a taxa base do custo da tarifa de tratamento dos resíduos sólidos urbanos a pagar à Empresa de Resíduos Sólidos Urbanos do Centro (ERSUC), cujo acionista base é privado.

Crise/inflação: Costa recusa razões para alarmismo sobre panorama dos créditos à habitação

António Costa procurou assegurar que o seu Governo está “atento” face ao impacto da subida dos juros nas prestações a pagar pelas famílias com créditos à habitação.

Costa espera privatização da TAP em 12 meses. Admite que Estado possa perder dinheiro

O primeiro-ministro disse hoje esperar que a privatização da TAP ocorra nos próximos doze meses, afirmando que “só se fosse irresponsável” é que garantiria que o Estado não irá perder dinheiro na transação, mas “espera que não”.
Comentários