Cristas: Subida do ‘rating’ deve-se também a reformas do anterior Governo

Assunção Cristas discursou no jantar de Natal da concelhia de Lisboa do CDS-PP, onde desafiou António Costa a continuar a preservar as reformas no mercado de trabalho implementadas pelo anterior governo.

Assunção Cristas considerou a subida do rating de Portugal pela agência Fitch como uma “boa notícia” para o país, mas afirmou que é resultado do esforço dos portugueses e reformas do anteriores do atual e anterior governos. A presidente do CDS-PP defendeu ainda se o anterior PSD/CDS tivesse sido reeleito, a mudança teria sido mais rápida.

Num relatório publicado esta sexta-feira, a Fitch mudou a avaliação sobre Portugal por esperar que a dívida pública caia de forma sustentada. A decisão era esperada, mas a agência subiu o rating da República em dois escalões, para BBB com outlook estável, mais do que o antecipado.

“Se há hoje uma notícia positiva em matéria de revisão do rating por mais uma agência, isso significa que houve muitos portugueses a fazer um esforço muito grande para ajudarem o país a sair da bancarrota socialista”, afirmou Assunção Cristas, em declarações transmitidas pelas televisões.

“Se temos mais uma revisão em alta por uma agência de rating, que nos permite entrar em índices relevantes para o país, se temos um desemprego a decrescer, se temos emprego a ser criado, isso também se deve, e muito, à reforma laboral feita pelo anterior Governo”, acrescentou.

Assunção Cristas discursou no jantar de Natal da concelhia de Lisboa do CDS-PP, onde afirmou que António Costa tem “sabido preservar” as reformas no mercado de trabalho implementadas pelo anterior governo e desafiou o primeiro-ministro a continuar a fazê-lo apesar de BE e PCP pedirem uma revisão da legislação.

Relacionadas

Governo salienta que subida de rating em dois escalões é inédita

“Esta classificação reflete o trajeto de controlo da despesa pública e de melhoria da balança corrente. É o reconhecimento das opções de política económica do Governo português”, afirmou o ministro das Finanças, Mário Centeno.

Administrador financeiro do BCP diz que subida do rating ajuda banca

Miguel Bragança diz que a subida do rating da Fitch “é positivo na medida em que implica uma redução de custos/yields da dívida pública e por isso é bom para a economia e para a banca, em particular, porque contribui para a redução dos custos de financiamento institucionais, ou porque melhora os rácios de capital”.
Recomendadas

5 de outubro: Montenegro acusa Governo de degradar ambiente político com casos

Luís Montenegro falava aos jornalistas no final da cerimónia oficial das comemorações do 112.º aniversário da implantação da República em Portugal, na qual o Presidente da República falou dos governos que “tendem quase sempre a ver-se como eternos” e das oposições “quase sempre a exasperarem-se pela espera”, afirmando em seguida que “nada é eterno” e que “a democracia é por natureza o domínio da alternativa, própria ou alheia”.

Primeira-ministra dinamarquesa convoca eleições antecipadas para novembro

O Partido Social Liberal, uma das formações que dá maioria ao Governo social-democrata, tinha ameaçado Frederiksen com uma moção de censura se não convocasse eleições, após apresentar em junho um relatório crítico sobre a gestão feita pelo executivo em relação ao abate de milhões de visons, devido a uma mutação do coronavírus.

Itália. Governo Meloni deverá misturar técnicos e fiéis da líder

O próximo Governo de Itália, chefiado por Giorgia Meloni, deverá combinar figuras de renome técnico, em pastas cruciais para as relações com Bruxelas, e fiéis da futura primeira-ministra, segundo analistas ouvidos pela Lusa.
Comentários