Cristiano Ronaldo investe 21,5 milhões em dois novos hotéis

No âmbito da parceria com o Grupo Pestana, o craque da seleção nacional e do Real Madrid vai investir cerca de 21,5 milhões em duas novas unidades hoteleiras em construção em Madrid e Nova Iorque, que deverão ser inauguradas em 2018.

Cristiano Ronaldo vai investir mais cerca de 21,5 milhões de euros na abertura de duas novas unidades hoteleiras CR7, no âmbito da parceria com o Grupo Pestana.

Estas duas novas unidades hoteleiras situam-se em Madrid e em Nova Iorque e encontram-se no arranque da construção, devendo ser abertas ao público em 2018.

A unidade hoteleira de Madrid tem um investimento previsto de cerca de 10 milhões de euros, de acordo com os dados revelado por José Theotónio, CEO do Grupo Pestana, em entrevista exclusiva hoje concedida ao Jornal Económico.

No âmbito da parceria firmada entre o Grupo Pestana e CR7, está estipulado que os investimentos são assumidos em 50% por cada uma das partes, pelo que Cristiano Ronaldo deverá investir cerca de cinco milhões de euros nesta nova unidade hoteleira na capital espanhola.

Está também a a arrancar a construção de um outro hotel CR7 em Nova Iorque, Manhattan, que tem um investimento previsto de cerca de 33 milhões de euros, dos quais cerca de 16,5 milhões de euros caberão a Cristiano Ronaldo.

Na referida entrevista exclusiva ao Jornal Económico, José Theotónio, CEO do Grupo Pestana, prevê que este hotel CR7 em Nova Iorque seja também inaugurado em 2018.

Relacionadas

“Grupo Pestana vai ter o melhor ano de sempre”

O CEO do líder hoteleiro nacional revela que o grupo vai fechar 2016 com uma faturação de 400 milhões e um EBITDA de 100 milhões de euros.
Recomendadas

Agência Abreu distinguida em três categorias dos World Travel Awards

Empresa recebeu os prémios de Melhor Agência de Viagens, Melhor Agência de Viagens Online e Melhor Destination Management dos candidatos portugueses.

Airbnb. Anfitriões portugueses com casas em zonas vinícolas receberam mais de um milhão no segundo trimestre

No acumulado do semestre, o número de anfitriões nessas áreas cresceu mais de 70% face ao mesmo período do ano anterior. De abril a junho, um anfitrião típico de uma zona vinícola recebeu em média mais de 2.300 euros.

Costa Silva: Próximos anos não vão ser “cor-de-rosa” para a economia portuguesa

António Costa Silva, ministro da Economia, afirma que “não é com receitas do passado que vamos resolver os problemas”, defendendo que “para resolver os problemas de curto prazo, precisamos de uma visão de longo prazo”.
Comentários