Croácia realiza hoje eleições presidenciais a poucos dias de assumir liderança rotativa da UE

A Croácia realiza hoje eleições presidenciais, escrutínio que se antevê renhido e que é encarado como um teste ao Governo conservador croata a poucos dias do país assumir, pela primeira vez, a liderança rotativa da União Europeia (UE).

Dubrovnik, Croácia

A atual Presidente Kolinda Grabar Kitarovic (conservadora), eleita em 2015 e que foi a primeira mulher a assumir a Presidência croata, concorre a um segundo mandato, tendo como principais adversários o ex-primeiro-ministro croata Zoran Milanovic (social-democrata) e o independente Miroslav Skoro (apoiado pela direita nacionalista croata).

Outros oito candidatos vão constar no boletim eleitoral, mas as sondagens mais recentes indicam que os respetivos resultados irão ser pouco expressivos.

Os três principais candidatos nesta votação presidencial – Kolinda Grabar Kitarovic, Zoran Milanovic e Miroslav Skoro – têm surgido nas sondagens muito próximos uns dos outros e os analistas, ouvidos pelas agências internacionais, anteveem que o próximo chefe de Estado croata só irá ser eleito numa segunda volta, prevista para 05 de janeiro.

As últimas sondagens publicadas hoje confirmam tal cenário, estimando que nenhum dos três candidatos irá conseguir a maioria de votos necessária para garantir a eleição direta.  Apesar da função presidencial ser sobretudo protocolar, manter a Presidência será muito importante para o executivo liderado pelos conservadores da União Democrática Croata (HDZ, partido de centro-direita que domina a vida política croata desde a independência do país em 1991), que se prepara para assumir, a 01 de janeiro, a presidência rotativa semestral do Conselho da UE.

Membro do bloco europeu desde julho de 2013, a Croácia irá assegurar pela primeira vez a liderança rotativa europeia. Um mandato que se prevê, no mínimo, intenso e desafiador, uma vez que será marcado pela oficialização da saída do Reino Unido da UE (‘Brexit’), agendada atualmente para 31 de janeiro de 2020, pelo arranque das negociações pós-‘Brexit’ e pela apetência dos países dos Balcãs Ocidentais pelo bloco comunitário.

Entre as metas europeias da Croácia está a entrada no espaço europeu de livre circulação (espaço Schengen), que já recebeu a luz verde da Comissão Europeia em outubro passado, e a adesão à moeda única europeia (euro).
Cerca de 3,85 milhões de eleitores croatas estão registados para votar, com as assembleias de voto a abrirem às 06h00 e a encerrarem às 18h00 (a mesma hora em Lisboa).

Recomendadas

Comissão eleitoral da Bósnia-Herzegovina investiga alegadas irregularidades eleitorais

Dodik, o mais poderoso líder sérvio bósnio desde 2006, negou as alegações.

Eurovisão: Liverpool acolhe concurso em 2023

Esta será a nona vez que o Reino Unido acolhe o concurso. Londres recebeu o Festival Eurovisão da Canção em 1960, 1963, 1968 e 1977, Edimburgo, em 1972, Brighton, em 1974, Harrogate, em 1982, e Birmingham, em 1998.
Comentários