Crypto.com vai reduzir equipa em 20%. CEO culpa implosão da FTX

O mercado dos criptoativos continua em queda livre, ainda em rescaldo da implosão da FTX, com mais uma empresa a reduzir equipas. Desta feita, a plataforma de trading Crypto.com vai despedir 20% dos trabalhadores a nível global.

A plataforma de trading Crypto.com anunciou que vai reduzir a equipa global em 20%, anunciou o co-fundador e CEO da empresa, Kris Marszalek, numa publicação no blog da empresa. Em causa está a “confluência de desenvolvimentos económicos negativos” e eventos “imprevisíveis” na indústria, que é como quem diz: a guerra, a inflação, o arrefecimento da Bitcoin e a implosão catastrófica da FTX.

Esta será a segunda maior ronda de despedimentos na empresa sediada na Singapura, que já tinha despedido 250 trabalhadores em meados do ano passado – mas um relatório recente vem sugerir que mais de 2.000 trabalhadores saíram, ora por convite ora por iniciativa própria. A empresa não soube divulgar quais os cargos que estão a ser reduzidos desta vez, mas soube apontar dedos, ou neste caso, dedo: a FTX.

A implosão da empresa em novembro do ano passado já tinha tido choques premonitores, logo em junho, mas o abalo principal veio a dar-se no fim do ano. A incorreta apropriação e aplicação de fundos dos utilizadores e a consequente insolvência “danificou significativamente a confiança na indústria”, escreve Marszalek.

2022 foi de facto um ano complicado para o mercado dos criptoativos, que encarou repetidos escândalos quando ainda estava fresca a tinta que correu com o cryptocrash. Sobre isso, o CEO da Crypto.com diz que “crescemos de forma ambiciosa no início de 2022, construíndo um incrível momentum e alinhando a trajetória com o resto da indústria”.

“Essa trajetória”, explica, “mudou rapidamente com a confluência de desenvolvimento económicos negativos”.

Tal como acontece com outras empresas em outras indústrias, as firmas de criptoativos estão a tomar decisões arrojadas para tentar passar entre os pingos da chuva – só que nesta analogia a chuva toma diferentes formas. Por um lado, a confiança dos consumidores e utilizadores é fundamental para o crescimento da indústria. Por outro, esse mesmo crescimento suscita demandas de transparência e regulamentação – que virá, já avisaram os reguladores europeus e norte-americanos.

Acontece que ‘transparência’ e ‘regulamentação’ não são palavras bem recebidas por alguns decisores, ainda que muitos players do mercado acenem com entusiasmo à credibilidade que daí poderá advir.

Mas o crescimento de que o CEO fala não se deu sem uns tropeços. A empresa foi criticada pela publicidade feita com o ator Matt Damon, acidentalmente enviou a um utilizador mais de 10 milhões de dólares “por engano” e preocupou os especialistas da indústria com a sua saúde financeira. Ainda assim, recebeu um voto de confiança da auditora Mazars, que garantiu que os criptoativos dos utilizadores estavam perfeitamente assegurados. Contudo, dias depois, a auditora que também auscultou a Binance, admitiu que tinha interrompido o trabalho com os clientes no mercado de cripatoviso.

Sobre os despedimentos de julho, Marzsalek diz que os mesmos fizeram face ao desânimo macroeconómico, mas que “não contemplam o colapso da FTX, que feriu significativamente a confiança na indústria”.

“É por esta razão que, à medida que nos continuamos a focar numa gestão financeira prudente, tivemos que tomar a decisão difícil mas necessária de alargar as reduções [de trabalhadores] para melhor posicionar a empresa para sucesso a longo-prazo”, termina.

Recomendadas

Amazon admite lucros zero no primeiro trimestre

Segundo a Reuters, a empresa norte-americana disse na quinta-feira que o seu lucro operacional poderia cair para zero no trimestre actual, uma vez que as poupanças provenientes dos despedimentos não compensam o impacto financeiro da retração dos consumidores,

Santander aumenta salário de todos os funcionários em Espanha em 4,5%

Banco tinha previsto aumento de 1,25% de aumento para os funcionários mas, para fazer face ao aumento da inflação, reabriu a negociação coletiva e decretou um aumento na ordem dos 4,5%.

Santander com mais 30% de amortizações antecipadas de crédito à habitação

Num ano em que qualquer amortização antecipada de crédito hipotecário está isenta de comissões, o banco regista já um aumento de 30% das amortizações antecipadas nos últimos três meses, face ao padrão que existia.
Comentários