CTT anunciam saída de administrador executivo

Francisco Maria da Costa de Sousa de Macedo Simão renunciou esta quarta-feira ao cargo de vogal do conselho de administração e da comissão e da comissão executiva do operador postal.

Cristina Bernardo

Os CTT – Correios de Portugal anunciaram esta quarta-feira, após o fecho do mercado, que Francisco Maria da Costa de Sousa de Macedo Simão renunciou hoje ao cargo de vogal do conselho de administração e da comissão e da comissão executiva do operador postal.

O termo do mandato deste administrador executivo terminaria a 31 de dezembro de 2019. Segundo os CTT, o gestor “assumiu, entretanto compromissos pessoais e profissionais, que considera ser do interesse da sociedade não se manter em funções até à data da realização da próxima assembleia geral (AG) eletiva a ocorrer em 2020”.

O ‘board’ dos CTT reuniu-se hoje e acabou por decidir que será João Miguel Gaspar da Silva, atual diretor de Operações dos CTT, a substituir Francisco de Macedo Simão até à tal AG, de acordo com a informação transmitida no comunicado divulgado pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM). “Produzindo a cooptação os respetivos efeitos a 6 de janeiro de 2020”, pode ler-se nessa nota.

Na carta de despedida de Francisco Simão, à qual o “Jornal Económico” teve acesso, o agora ex-administrador-executivo saúda todos os colaboradores e apesar de referir que “nem todas estas histórias de gestores a sair de empresas têm de ter um sabor triste ou estranho”, realça que “gostava que esta pudesse ter uma cor mais viva”.

Na Bolsa de Lisboa, os títulos dos CTT encerraram as negociações com uma perda de 0,87%, para 3,19 euros.

Recomendadas

Martín Tolcachir nomeado CEO Global do Grupo Dia

Tolcachir assumirá a estratégia da empresa a nível global e liderará a execução da estratégia de aceleração para o crescimento em todos os países onde opera, revela o grupo.

Seca no rio Reno põe em risco transporte de mercadorias

Os patrões alemães consideram que o governo federal, juntamente com os vários estados federados, o sector da logística e as empresas industriais, “deve estabelecer um sistema de monitorização próximo para reagir prontamente” ao baixo nível das águas.

Falta de gelo? Mercadona sem limitação de vendas nas lojas em Portugal

Os supermercados em Espanha estão a limitar o número de embalagens de gelo que vendem por cliente, tendo em conta a escassez deste produto devido à maior procura por causa do calor e à menor produção provocada pelos preços da eletricidade.
Comentários