CTT concluiu programa de “share buyback”

Tal como tinha sido anunciado, os CTT vão agora proceder ao cancelamento de 4.650.000 ações próprias correspondentes a 3,1% do capital.

Os CTT – Correios de Portugal anunciaram que já controlam um total de 7.585.000 ações próprias, que representam 5,06% do seu capital, dando assim por concluído o “share buyback” que arrancou em março e poderia ser prolongado até 18 de dezembro.

A compra de ações próprias é uma forma de remunerar os acionistas, sendo que o fim do programa representa o fim
de um suporte no valor das ações.

Tal como tinha sido anunciado, os CTT vão agora proceder ao cancelamento de 4.650.000 ações próprias correspondentes a 3,1% do capital.

Ao abrigo do programa de share buyback, os CTT tinham adquirido até 8 de setembro 6.084.999 ações, passando a deter um total acumulado de 7.585.000 ações próprias, representativas de 5,06% do capital social.

“O objetivo único do programa de recompra passa pela redução do capital social dos CTT mediante a extinção das ações próprias adquiridas ao abrigo do mesmo, tendo a Assembleia Geral Anual deste ano apenas aprovado a extinção das ações de até 4.650.000 ações próprias correspondentes a 3,1% do seu capital social”, refere a MTrader na sua análise.

Recomendadas

Digi e Cellnex celebram acordo para instalação de rede 5G em Portugal

Esta é a primeira informação oficial a surgir depois de a Digi ter investido mais de 67 milhões de euros na compra de licenças 5G no leilão da Anacom.

Mastercard quer oferecer soluções tecnológicas de pagamento que incluam criptomoedas

A Economista Responsável pelos Mercados da Europa, Médio-Oriente e África no Instituto Económico da Mastercard, Natalia Lechmanova, mostrou como os hábitos dos consumidores estão a alterar-se nas economias ocidentais, onde “as pessoas estão a dar cada vez mais prioridade às experiências e menos a “coisas”.

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.
Comentários