CTT esclarece que ação judicial contra Sequeira Braga não foi posta pela empresa

A Maxyield chamou de “comportamento arbitrário praticado por esta empresa cotada” a alegada ação judicial contra Gonçalo Sequeira Braga. Mas os CTT vêm hoje dizer que não há nenhuma ação da empresa contra o acionista minoritário. A ação é afinal da Secretária Suplente da Sociedade, a título pessoal.

João Bento, presidente executivo dos CTT | Cristina Bernardo

Ao contrário do que invocou em comunicado, ontem a Maxyield, não foram os CTT que puseram uma ação contra o acionista minoritário Gonçalo Sequeira Braga e contra o seu filho, mas sim a Secretária Suplente da Sociedade a título pessoal.

O esclarecimento foi prestado pelos CTT, que numa nota oficial diz que “na sequência da notícia de terem os CTT – Correios de Portugal intentado ação judicial contra Gonçalo Sequeira Braga e contra o seu filho Gonçalo Sequeira Braga, vêm os CTT informar ser o conteúdo da referida notícia absolutamente falso, não tendo os CTT ou o seu Presidente da Mesa da Assembleia Geral, promovido ou instaurado qualquer ação em processo-crime contra o referido acionista ou o seu filho”.

“O referido processo foi instaurado pela Secretária Suplente da Sociedade, a título pessoal, e no decurso de comportamento ilícito do mencionado acionista e do seu filho enquanto esta se encontrava no exercício das suas funções, não cabendo aos CTT ou ao seu Presidente da Mesa da Assembleia Geral qualquer responsabilidade na promoção da referida ação”, refere a empresa liderada por João Bento.

A Maxyield – Clube dos Pequenos Acionistas, disse em comunicado, que “teve hoje conhecimento que a secretaria-geral dos CTT, aplicando instruções da Mesa da Assembleia Geral (presidida por Pedro Rebelo de Sousa) promoveu a instauração de um processo-crime contra Gonçalo Sequeira Braga (acionista dos CTT, associado da Maxyield e presidente da Assembleia Geral da Maxyield) e contra o seu filho Gonçalo Sequeira Braga, membro da Direção desta associação de investidores”.

“A Maxyield formula votos de que as entidades oficiais responsáveis pela Regulação, Supervisão e Fiscalização do Mercado de Capitais não pactuem com o comportamento arbitrário praticado por esta empresa cotada”, refere o comunicado da Maxyield enviado ontem à noite.

A mesma nota contextualiza que em 29 de Abril passado, “foi recusado o acesso deste acionista à lista de presenças da AG dos CTT, realizada a 21 de abril, ao arrepio do disposto no código das sociedades comerciais, sob o pretexto de que apenas poderia ser consultada sem poder registar as presenças”.

“Esta conceção das Assembleias Gerais como reuniões secretas em que os acionistas não podem conhecer quem são os seus parceiros no investimento, é de repudiar de forma firme em defesa das boas práticas do Corporate Governance”, diz a Maxyield que considera que se trata-se de uma atitude que só contribui para desprestigiar o mercado de capitais e revela uma grande arrogância dos grandes acionistas relativamente aos pequenos.

OS CTT desmentem em comunicado a Maxyield.

Relacionadas

CTT avança com ação judicial contra Gonçalo Sequeira Braga. Maxyield repudia

A Maxyield diz que “apoiará juridicamente os seus associados e dirigentes alvos desta difamação, em ações que estes entendam desenvolver, para ressarcimento pelos danos pessoais e morais que foram causados pela iniciativa da Secretaria-geral do CTT, aplicando  instruções da Mesa da Assembleia Geral”.
Recomendadas

EDP procura startups mais inovadoras na área da energia

Elétrica lança a 7ª edição do Free Electrons em busca de startups inovadoras. Candidaturas decorrem até 28 de janeiro.

Mitos que bloqueiam progressão feminina e dificultam diversidade de género nas empresas

Relatório da Mazars e Gender Balance Observatory desmistifica mitos em contexto laboral, entre os quais a falta de ambição e a aversão ao risco entre as mulheres, a questão da maternidade ou das quotas e a meritocracia.

Mercado automóvel cresce 1,8% entre janeiro e novembro, mas muito longe dos números pré-pandemia

Dados da ACAP revelam que em termos globais, o mercado automóvel regista um crescimento de 1,8% entre janeiro a novembro de 2022, face a igual período do ano anterior. De referir que 11,1% dos veículos ligeiros de passageiros novos são elétricos (BEV).
Comentários