CTT, Galp, BCP e retalho pressionam bolsa portuguesa que acompanha pessimismo na Europa

Em Lisboa, doze empresas cotadas desvalorizam, três valorizam e outras três negoceiam sem variação. 

O principal índice bolsista português (PSI 20) perde 0,52%, para 5.134,88 pontos, em linha com as principais praças europeias esta terça-feira, 10 de dezembro. Em Lisboa, doze empresas cotadas desvalorizam, três valorizam e outras três negoceiam sem variação.

As quedas dos títulos dos CTT (-1,43%), da Galp (-0,96%), do BCP (-0,52%) e das retalhistas Sonae (-0,95%) e Jerónimo Martins (-0,85%) penalizam o PSI 20, que negoceiam em queda pela segunda sessão consecutiva.

Destaque para a Galp que, de acordo com o jornal espanhol “El Confidencial”, fez uma uma das maiores propostas pela unidade do grupo espanhol Zero-E. Galp energia compete contra China Railway, Brookfield e Macquarie. A Zero-E pertence à ACS que é detida pelo presidente do Real Madrid, Florentino Perez.

Em terreno positivo, negoceiam apenas EDP, Semapa e Sonae Capital.

Entre as principais congéneres europeias, os principais índices também negoceiam em queda. “O foco dos investidores continua na guerra comercial perante o aproximar do dia 15 de dezembro, data prevista para que os EUA apliquem novas tarifas à China. A expectativa era de que os dois países chegassem a um entendimento até lá, que evitasse o agravamento, mas até agora não há qualquer sinal de acordo”, aponta o Mtrader do Millennium BCP, Ramiro Loureiro.

Entretanto, Donald Trump e os Democratas chegaram a um pré-acordo para novo pacto comercial com o Canadá e México. No Congresso, o Partido Democrata  chegou a um pré-acordo com a administração Trump para um novo pacto comercial que vem substituir o Acordo de Livre Comércio da América do Norte (NAFTA, sigla anglo-saxónica).

Acresce a expectativa dos investidores pela conclusão da reunião da Reserva Federal dos Estados Unidos, vulgo Fed, que decorre na quarta-feira.

As expectativas em torno das eleições no Reino Unido, que decorrem em 12 de dezembro, também marcam a agenda.

Recomendadas

Wall Street fecha instável em face da provável recessão

A indefinição está a marcar a economia interna dos Estados Unidos. sabe-se que haverá uma recessão, mas os seus contornos em termos de profundidade e duração não são claros. E o mercado mobiliário parece não gostar disso.

Há quem queira fugir à regulação do mercado criptoativo, alerta responsável europeia

A regulação deverá chegar no espaço de um ano, diz a comissária europeia para os serviços financeiros. Mas há ‘players’ do mercado que escolhem deliberadamente jogar contra as regras, avisa. A abordagem deve ser “global”.

Lagarde e o ‘whatever it takes’ para controlar a inflação. Ouça o podcast “Mercados em Ação”

No “Mercados em Ação”, podcast do JE, vai poder contar com a análise de especialistas em temas como ações e obrigações; investimento e poupança; BCE e FED; resultados e empresas; análises e gráficos.
Comentários