CTT participa em três projetos de inovação empresarial apoiados pelo PRR

“Estes projetos vão ser desenvolvidos pelos CTT e pelos seus parceiros, enquadrados na Componente 5 – Capitalização Empresarial, integrada na Dimensão Resiliência do PRR”, acrescenta a empresa.

Os CTT – Correios de Portugal vão participar “em três agendas mobilizadoras para a Inovação Empresarial no âmbito do financiamento do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR)”, avança a empresa em comunicado.

“Estes projetos vão ser desenvolvidos pelos CTT e pelos seus parceiros, enquadrados na Componente 5 – Capitalização Empresarial, integrada na Dimensão Resiliência do PRR”, acrescenta a empresa.

A participação dos CTT em duas das três iniciativas, enquadra-se na importância do desenvolvimento de novas soluções de logística urbana que potenciem por um lado, a existência de Smart Cities que respondam às necessidades de cidadão e empresas e por outro, uma oferta integrada de soluções de entrega 100% verdes (Green Deliveries).

As três iniciativas elegíveis para financiamento “estão relacionadas com a modernização das operações (Produtech R3) e a mobilidade sustentável e inteligente (Be.Neutral e Route 25), sendo que o projeto Produtech R3 visa estudar a implementação de duas soluções diferentes na área operacional dos CTT e da CTT Expresso”, segundo o comunicado.

“Em causa estão soluções robotizadas no chão de fábrica, para paletização automática; e de robótica móvel com AMRs (Autonomous Mobile Robots), para rebocador de carros logísticos e para transporte interno de paletes ou contentores”, detalha os CTT.

A participação dos CTT como demonstrador neste projeto, enquadra-se no objetivo de modernização das operações, incorporando conceitos e tecnologias da Indústria 4.0 para esse fim, explica a empresa liderada por João Bento.

Na iniciativa Be.Neutral os CTT vão participar “na definição de requisitos e testar várias soluções na vertente de logística urbana, nomeadamente um novo veículo de quatro rodas, o BEN, desenvolvido no CEIIA (Centro de Engenharia e Desenvolvimento); testar a sensorização e tracking de viaturas e objetos; testar uma plataforma de gestão de mobilidade e de emissões; integrar e analisar os dados gerados para melhoria da eficiência operacional e da gestão de frota dos CTT e, por fim, testar hubs de carregamento elétrico nas cidades”.

O projeto Route 25 centra-se na condução autónoma, recolha de dados e respetiva análise e representação em plataformas especializadas.

“Os CTT participam na definição de requisitos e testam soluções na vertente de logística urbana”, nomeadamente de “criação de uma rede de sensorização de viaturas CTT; de integração com plataforma de visualização de dados em tempo real (percursor de um Centro de Gestão Integrada); de integração do Mundo Virtual (Digital World) com o Centro de Gestão Integrada; de integração destes data lakes com plataformas de gestão de mobilidade e energia dos CTT; e de utilização de carregadores de alta potência públicos em meio urbano”, conclui a empresa.

Para Nuno Matos, Diretor de Digital, Transformação e Inovação dos CTT “A participação dos CTT nestas Agendas do PRR constitui uma oportunidade muito positiva para testar tecnologias e soluções inovadoras, assim como permitirá também o alargamento da rede de parcerias com entidades do sistema científico e tecnológico, bem como de outras indústrias e sectores, desenvolvendo sinergias e potenciais futuras colaborações.”

O PRR é um programa de aplicação nacional de Fundos Comunitários, com um período de execução até 2026, que visa a implementação de um conjunto de reformas e investimentos destinados a repor o crescimento económico sustentado, após a pandemia, reforçando o objetivo de convergência com a Europa ao longo da próxima década. Este plano de investimento assenta em três dimensões: Resiliência; Transição Climática; Transição Digital.

Os CTT lembram que contam ainda com um fundo de investimento, “o Fundo TechTree, com dotação de 5 milhões de euros, que visa investir em start-ups (seed, series A e growth) e pequenas e médias empresas, privilegiando a atuação em setores alinhados com as prioridades dos CTT, nomeadamente e-commerce, operações & logística, comunicações, fintech, retalho, publicidade e sustentabilidade”.

 

 

Recomendadas

TAP terá sido lesada em 444 milhões de euros com novos aviões Airbus

David Neeleman terá negociado com a Airbus o cancelamento de um contrato para 12 aviões A350 e a compra de 53 novas aeronaves. Duas operações que podem ter lesado a TAP em 444 milhões de euros.

Glovo enfrenta coimas de mais de 200 milhões de euros sem constituir provisões

A empresa que presta serviços de entrega ao domicílio afirma, segundo o “El Economista”, que não é possível quantificar o impacto total das multas aplicadas.

Fisco arrisca devolver milhões da taxa rodoviária

A CSR foi declarada ilegal em 2022 pela justiça europeia e um acórdão do centro de arbitragem abre a porta a que mais condutores exijam a devolução da taxa, segundo o “DN/Dinheiro Vivo”.
Comentários