CTT querem rescindir com 300 trabalhadores

Empresa está num processo de reestruturação que visa um programa de rescisões por mútuo acordo, reformas antecipadas e encerramento de balcões.

Rafael Marchante/Reuters

A reestruturação dos CTT deverá resultar na saída por rescisão de 300 trabalhadores, sendo que esta mudança do grupo deverá levar ainda ao encerramento de balcões, escreve hoje a edição online da revista Sábado.

Fonte do grupo CTT revelou à Sábado que “após algumas solicitações de reformas antecipadas comunicaram às estruturas representativas dos trabalhadores que estão disponíveis para, em duas etapas distintas, acolher até cerca de 300 rescisões por mútuo acordo e reformas antecipadas”. A mesma fonte salientou que o grupo vai procurar que estas alterações “se reflitam em áreas de maiores concentrações de trabalhadores e menos em zonas interiores do país”.

Recomendadas

Corte das novas pensões antecipadas recua para 13,83% em 2023

As pensões antecipadas que vierem a ser iniciadas no próximo ano vão sofrer cortes menores do que este ano. Redução da esperança média de vida aos 65 anos causada pela pandemia explica esta evolução.

Sentimento económico na UE e zona euro aumentou pela primeira vez desde fevereiro

Por sua vez, o indicador de expectativas de emprego (EEI) aumentou (+1,4 pontos para 106,3 na UE e +2,0 pontos para 107,4 na área do euro) em novembro.

Idade da reforma não mexe. Terá de trabalhar até aos 66 anos e quatro meses para pedir a pensão em 2024

A esperança média de vida aos 65 anos voltou a cair por causa da pandemia, mas não o suficiente para baixar a idade da reforma, de acordo com os cálculos do Jornal Económico.
Comentários