CTT reduzem capital para 72,7 milhões e formalizam mudança de sede em Lisboa (com áudio)

O capital social do operador postal, representado por 145.350.000 títulos de 50 cêntimos cada, baixou devido à extinção de ações próprias. O operador postal tem agora sede no edifício Green Park, onde se localiza a Maló Clinic.

Os CTT – Correios de Portugal anunciaram esta segunda-feira uma redução de capital para 72,675 milhões de euros e oficializaram a mudança de sede da empresa para o edifício Green Park, em Lisboa, onde está localizada a clínica dentária Maló Clinic.

A redução de capital aconteceu ontem, dia 7 de novembro, e abrange o valor de 2,325 milhões de euros por causa da extinção de 4.650.000 ações representativas de 3,1% dos CTT, de acordo com a informação transmitida, em comunicado, à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM).

“O capital social dos CTT passou a ser de 72.675.000 euros, representado por 145.350.000 ações com um valor nominal de cinquenta cêntimos por ação, tendo sido consequentemente alterado o artigo 4º, números 1 e 2 dos Estatutos da Empresa”, explicou a empresa, na nota publicada pela CMVM. “Mais se informa que os procedimentos para o cancelamento das ações junto da Interbolsa e da Euronext deverão estar concluídos no próximo dia 10 de novembro, ou em data próxima”, lê-se.

Em relação à sede, os CTT detalham que a nova morada é a Avenida dos Combatentes nº 43 – 14º Piso 1643-001, em Lisboa, segundo consta no registo comercial que foi atualizado.

Nos primeiros nove meses de 2022, os lucros dos CTT subiram 7,6%, em termos homólogos, para 28,3 milhões de euros. O aumento do resultado líquido deveu-se essencialmente ao crescimento de 8,3% nos correios, em comparação ao mesmo período do ano passado, e ao Banco CTT (+24,9%), cujos rendimentos operacionais atingiram os 90 milhões de euros até setembro.

Notícia atualizada às 18h46

Relacionadas

PremiumLucros dos CTT sobem para 28,3 milhões com ajuda do banco postal

A empresa de correios aumentou os lucros em 7,6% nos primeiros nove meses do ano, em comparação com o período homólogo, à boleia das várias unidades de negócio. O Banco CTT foi o segmento que mais cresceu.

Tranquilidade com 8,71% do Banco CTT e acordo de venda dos seguros

O negócio avançado em primeira-mão pelo Jornal Económico em julho acaba de ser fechado e aguarda apenas a aprovação dos reguladores para se concretizar. A Tranquilidade chegou a acordo com os CTT para a distribuição exclusiva de seguros e entrada no Banco CTT, através de um aumento de capital de 25 milhões de euros, tornando-se um acionista com 8,71%.

PremiumGenerali perto de fechar compra de parte do Banco CTT

O grupo Generali/Tranquilidade vai ser acionista minoritário do Banco CTT com uma parceria comercial nos seguros. O acordo está prestes a ser fechado.
Recomendadas

“Taxa Amazon”. Barcelona prepara-se para taxar empresas de entregas

A cidade espanhola deverá aplicar uma taxa às empresas que circulem no espaço público para entregar encomendas online. Medida abrange empresas com mais de um milhão de euros em receitas anuais e deverá encaixar cerca de 3 milhões nos cofres da autarquia.

ORES Portugal compra três hipermercados por 26,2 milhões que alugará ao Continente (com áudio)

Os três ativos imobiliários são objeto de contratos de arrendamento de longa duração com o Continente, do grupo Sonae, segundo um comunicado da SIGI do Bankinter e da Sonae Sierra.

Minipreço diz que lança o primeiro saco de plástico que protege os oceanos, mas é virtual

A cadeia de supermercados Minipreço, no sentido de alertar para a imprescindibilidade de reduzir o consumo de plástico, nomeadamente sacos e descartáveis, diz que foi criado “um saco de plástico virtual que, ao invés de prejudicar a natureza, auxilia na sua preservação através de donativos”.
Comentários