CTT testa ‘drones’ para entrega de correio

Depois da Marmita Voadora, a ‘Connect Robotics’ demonstrou o seu serviço de entregas por drones à CTT.

Durante três dias, os CTT – Correios de Portugal testaram um drone para entrega de correio. A experiência, organizada pela startup ‘Connect Robotics’, foi testada num percurso de três quilómetros, feito em cerca de sete minutos.

O Centro de Distribuições dos CTT foi o ponto de partida da operação, que terminou na sede da empresa, no Parque das Nações. Por se tratar de uma área controlada pelo Aeroporto Humberto Delgado, o voo teve apenas uma altitude de 30 metros.

“O nosso serviço é, sem dúvida, uma mais valia para a distribuição de cartas ou encomendas. Um drone é mais rápido, mais silencioso, menos dispendioso e ninguém tem de perder tempo para se deslocar. Acreditamos que este será o método mais utilizado para a distribuição de pequena mercadoria, no futuro”, afirma Eduardo Mendes, CEO da Connect Robotics.

Depois da Marmita Voadora – projeto realizado com a Santa Casa da Misericórdia e a Câmara Municipal de Penela –   que entregou refeições ao último habitante da aldeia de Podentinhos, a ‘Connect Robotics’ demonstrou o seu serviço de entregas por drones à CTT.

A viabilidade da tecnologia está em análise pelos decisores dos Correios.

 

Recomendadas

Total de hóspedes e dormidas atingiram máximos em agosto

São os valores mais elevados desde que há registo e correspondem a aumentos homólogos de 33,0% e 31,9%, por esta ordem. Em comparação com agosto de 2019, período anterior à pandemia, registaram-se aumentos de 1,2% e 2,8%, respetivamente, de acordo com os dados do INE.

Energia. Contribuição solidária será aplicada em Portugal quando aprovada, diz Mendonça Mendes

O secretário de Estado dos Assuntos Fiscais afirmou hoje que Portugal apoiou e participou nos trabalhos de criação de uma contribuição solidária sobre lucros excessivos e que a mesma será aplicada quando aprovada.

Cabo Verde. Governo prepara Orçamento a prever crescimento até 5% em 2023

“O ano 2023 vai ser ainda mais desafiante, além de ser muito incerto. Não obstante, temos de criar as condições que possam garantir que a economia cresça entre 4 a 5%, e continuarmos a proteger os rendimentos das famílias, proteger as empresas e os empregos”, disse Olavo Correia, que é também ministro das Finanças, antecipando a reunião do Conselho de Concertação Social, hoje, em que vai apresentar e debater a proposta de Orçamento do Estado de 2023.
Comentários