CTT vão “manter a qualidade” do serviço postal, garante presidente-executivo

O presidente executivo dos CTT, Francisco de Lacerda, garantiu hoje, em declarações à Lusa, que os Correios de Portugal vão “manter a qualidade” do serviço postal universal, no dia em que os Correios divulgaram o seu plano de reestruturação.

O Plano de Transformação Operacional, hoje divulgado, prevê a redução de cerca de 800 trabalhadores em três anos, um corte de 25% na remuneração fixa do presidente do Conselho de Administração e do presidente executivo, além da otimização da implantação de rede de lojas através da conversão de lojas em postos de correio ou do fecho de lojas com pouca procura por parte dos clientes.

Os CTT pretendem ainda “continuar a desenvolver o modelo de postos de correio explorados por terceiros”, de acordo com o documento hoje divulgado.

Questionado se este plano terá impacto na qualidade do serviço universal postal, Francisco de Lacerda garantiu que não.

“Os CTT estão obviamente muito empenhados em manter uma elevada qualidade de serviço e em trabalhar em articulação com o Governo e um conjunto de entidades que o Governo vai indicar para um programa de trabalho no sentido de manter a proximidade às entidades relevantes para todas as questões relacionadas com o serviço público postal”.

Por isso, “vamos manter, queremos manter a qualidade, cumprimos e queremos continuar a cumprir as regras regulatórias, mas isso não nos impede em cada momento de encontrar as melhores soluções para equilibrar o cumprimento das regras de uma boa qualidade de serviço com a eficiência que qualquer empresa tem que permanentemente prosseguir”, afirmou Francisco de Lacerda.

“A população portuguesa em geral pode estar segura que os CTT estão e estarão empenhados em ter boa qualidade de serviço e cumprir o serviço público de que são concessionários como deve ser”, concluiu Francisco de Lacerda.

De acordo com o plano de reestruturação hoje divulgado, “é expectável que o plano de transformação operacional tenha uma contribuição positiva de até 45 milhões de euros para o EBITDA [resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações] recorrente a partir de 2020 e ajudar a contrariar a contínua queda estrutural do negócio de correio”.

Estas medidas decorrem da quebra do tráfego do correio de cerca de 50% desde 2001 e da subida do segmento expresso e encomendas, impulsionado em grande parte pelo comércio eletrónico.

Relacionadas

CTT vão reduzir 800 pessoas nas operações em três anos

Os CTT preveem reduzir cerca de 800 pessoas nas operações da empresa ao longo de três anos, devido à queda do tráfego do correio, de acordo com o Plano de Transformação Operacional hoje divulgado.

CTT corta salários de gestores e suspende prémios de gestão até 2018

A austeridade chegou à gestão dos CTT. O plano de transformação operacional (2018-2019) implica um corte na remuneração da administração. Limitação a aumentos salariais dos trabalhadores e forte redução da remuneração variável dos colaboradores.

CTT mudam de administrador financeiro

Esta cooptação será submetida a ratificação da próxima Assembleia Geral dos CTT.
Recomendadas

Mudança ‘online’ para todas as empresas no mercado regulado de gás já é possível

A Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) anunciou hoje uma atualização ao guia para mudar para o mercado regulado de gás natural, com os ‘links’ para a contratação eletrónica de todos os comercializadores naquele mercado.

OE2023: Marcelo diz que previsões são melhores do que esperava mas não são “maquilhagem política”

O Presidente da República afirmou hoje que as previsões económicas do Governo para 2023 são melhores do que esperava, mas considerou que não são “um exercício de maquilhagem política”, embora admitindo que posam falhar.

Governo prevê PIB a crescer 1,3% e défice de 0,9% no próximo ano

O cenário macroeconómico da proposta de Orçamento do Estado para 2023, que está hoje a ser apresentado aos partidos, contempla prevê um abrandamento do crescimento económico de 6,5%, este ano, para 1,3% no próximo. Inflação mantém-se no patamar do OE2022 de 4% e dívida cai para 110,8%.
Comentários