Cuba desiste legalizar casamento gay

O governo de Cuba anunciou na terça-feira que a linguagem que promove a legalização do casamento homossexual será removida do esboço da nova constituição, após de se ter verificado uma rejeição popular generalizada da ideia.

Darren Ornitz / Reuters

O governo de Cuba anunciou na terça-feira que a linguagem que promove a legalização do casamento homossexual será removida do esboço da nova constituição, após de se ter verificado uma rejeição popular generalizada da ideia.

Defensores dos direitos homossexuais propuseram substituir a descrição do casamento como a união entre um homem e uma mulher pelo texto que o define como a união de duas pessoas.

Contudo, essa alteração provocou protestos, em especial de igrejas evangélicas, durante os meses de reuniões públicas sobre a nova constituição.

A Assembleia Nacional de Cuba anunciou na rede social Twitter que a comissão responsável pela revisão da constituição propôs eliminar essa proposta de alteração do texto da nova Constituição “como forma de respeitar todas as opiniões”.

A Constituição seria omissa sobre esta questão, deixando em aberto a possibilidade de uma futura legalização do casamento, sem que seja promovido especificamente.

A comissão constitucional é liderada pelo primeiro-secretário do Partido Comunista e ex-Presidente de Cuba Raul Castro.

A sua filha, Mariela Castro, é uma legisladora conhecida na área de defesa dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais e transexuais. A sua ação ajudou a reabilitar a imagem internacional de Cuba sobre estes direitos, especialmente depois do Governo comunista liderado por Castro ter enviado homossexuais para campos de trabalho forçado nos anos 60 do século passado. A perseguição generalizada continuou nos anos 70.

A comunidade gay tem crescido em Havana e em ouras cidades cubanas, mas as atitudes anti-homossexuais permanecem profundamente enraizadas em grande parte da população.

Os cubanos, que normalmente evitam as críticas abertas ao Governo, manifestaram-se em grande número contra o proposto artigo constitucional que promovia o casamento gay durante as consultas públicas sobre o projeto de Constituição ao longo do ano.

As igrejas evangélicas, em rápido crescimento de Cuba, também se opuseram ao artigo, aumentando a pressão sobre um Governo pouco habituado a este tipo de rejeição pública.

A nova Constituição deverá ser apresentada para aprovação num referendo público no início de 2019.

Recomendadas

Irão: ‘Polícia da moralidade’ poderá ser substituída por “novas tecnologias”

O Centro de Promoção da Virtude e Proibição do Vício do Irão afirmou hoje “que a missão da polícia da moralidade terminou”, mas sublinhou que estão a ser estudadas novas tecnologias para controlar o vestuário das mulheres.

Ucrânia: Operadora de eletricidade anuncia cortes de emergência em todo o país

A operadora de eletricidade ucraniana Ukrenergo avisou hoje que vai ser preciso realizar cortes de energia de emergência em toda a Ucrânia, devido aos mais recentes ataques russos.

Mike Pence rejeita comentários de Trump contra a Constituição dos EUA

O ex-vice-presidente norte-americano Mike Pence rejeitou hoje as afirmações de Donald Trump de que deveria “acabar-se” com a Constituição do país para que pudesse ser reintegrado na Presidência.
Comentários