Cuba quer pagar dívida de 276 milhões à República Checa… com rum

A dívida remonta ao tempo da Guerra Fria. Se o Governo checo aceitar esta forma de pagamento terá rum até 2147.

O Governo de Havana quer pagar a dívida multimilionária que tem com a República Checa, na ordem dos 276 milhões de dólares (cerca de 263 milhões de euros), em rum. A hipótese foi confirmada por fonte do Ministério das Finanças checo à BBC.

A dívida diz respeito às relações comerciais entre os dois países durante a Guerra Fria, quando a então Checoslováquia, à semelhança de Cuba, fazia parte da URSS. Atualmente, a ilha que conservou o ideário comunista encontra-se a atravessar sérios problemas financeiros, motivados sobretudo pelo embargo norte-americano.

Os cubanos alegam não ter dinheiro para saldar a dívida, mas têm rum de sobra. Tendo em conta que a República Checa é o país com maior consumo de cerveja per capita do mundo – em 2015 importou 892 toneladas de rum cubano – o Governo de Havana decidiu avançar com esta proposta peculiar.

A vice-ministra das Finanças da República Checa, Lenka Dupakova, ao diário checo Dnes, afirma que esta é “uma opção interessante”, mas o Ministério das Finanças opõem-se à ideia. “Pelo menos uma parte da dívida terá de ser paga em dinheiro”, escreve em comunicado.

Se a República Checa aceitar esta forma de pagamento, terá rum suficiente para 130 anos. Para o caso de o pagamento da dívida com álcool não se concretizar, Cuba já tem uma alternativa: pagar em medicamentos.

Recomendadas

Covid-19: Pandemia provocou mais 300 mil mortes na UE do que as oficiais, diz OCDE

“No final de outubro de 2022, mais de 1,1 milhões de mortes de covid-19 foram reportadas em todos os 27 países da UE, mas os dados sobre o excesso de mortalidade sugerem que se trata de uma subestimativa e que mais 300 mil pessoas morreram devido ao efeito direto ou indireto da pandemia”, refere o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e da Comissão Europeia (CE).

Covid-19: Problemas de saúde mental aumentaram na Europa, sobretudo nos jovens

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) explica no relatório comparativo da situação de saúde na Europa que, enquanto em 2019 a percentagem de jovens entre 15 e 24 anos com sintomas de depressão era de 6%, contra 7% nos adultos, com o coronavírus os números aumentaram em todos os países para os quais existem dados.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários