Cubanos exilados celebram morte de Fidel Castro

A famosa avenida principal de Miami, Little Havana, teve o tráfego interrompido, devido à multidão no asfalto.

A morte do histórico líder cubano fez reunir, esta madrugada, dezenas de cubanos exilados com bandeiras do seu país e dos Estados Unidos, no restaurante Versailles, em Miami.

Redes de televisão locais mostraram imagens da multidão nos arredores do restaurante, palco de celebrações similares, por cada rumor sobre a morte de Fidel, bem como de protestos e reuniões dos exilados.

Uns sorriam para as câmaras, outros choravam emocionados e alguns bebiam champanhe diretamente da garrafa.

A famosa rua 8 de Miami, a avenida principal da região de nome Little Havana, teve o tráfego interrompido, devido à multidão no asfalto.

Ramón Saúl Sánchez, líder da organização do exílio cubano Movimento Democracia, lamentou que a morte de um “tirano” não signifique “a liberdade do povo de Cuba”. “É a maior tristeza que tenho em meu coração”, afirmou à Agência Efe o mesmo.

Recomendadas

Ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior visita MIT no início da semana para reforçar parceria internacional

“Trata-se de uma parceria que visa estimular a internacionalização da investigação científica, a criação de empregos científicos e qualificados e de novas empresas tecnológicas”, explica o gabinete de Elvira Fortunato.

Portugal saúda o Governo venezuelano e a oposição pela retoma do diálogo

“Portugal felicita as partes venezuelanas e os mediadores noruegueses pelo retomar das negociações na Cidade do México”, segundo uma mensagem do Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE) de Portugal.

Milhares de pessoas correm em Caracas em ação promovida pela UE sobre violência contra as mulheres

A iniciativa, que conta com uma corrida de 10 quilómetros e uma caminhada de cinco quilómetros, proporcionou uma “festa” pelas ruas da capital da Venezuela, com o principal objetivo de sensibilizar a população para que não permita “nem um único ato de violência” contra as mulheres, explicou o chefe de missão da delegação da UE, Rafael Dochao Moreno, em declarações à agência Efe.
Comentários