Custo do trabalho subiu 4,1% no terceiro trimestre

“No 3.º trimestre de 2022, o ICT, que mede os custos do trabalho por hora efetivamente trabalhada, aumentou 4,1% em relação ao período homólogo de 2021 (tinha aumentado 5,9% no trimestre anterior”, refere o INE numa nota publicada esta manhã.  

O custo do trabalho subiu 4,1% no terceiro trimestre deste ano, um crescimento menor face aos 5,9% registados nos três meses anteriores, de acordo com um boletim divulgado esta segunda-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE).

“No 3.º trimestre de 2022, o ICT, que mede os custos do trabalho por hora efetivamente trabalhada, aumentou 4,1% em relação ao período homólogo de 2021 (tinha aumentado 5,9% no trimestre anterior”, refere o INE na mesma nota.

O organismo público justifica que “a evolução homóloga do ICT resultou do acréscimo de 4,6% no custo médio por trabalhador e do acréscimo de 0,5% no número de horas efetivamente trabalhadas por trabalhador”.

Segundo o organismo nacional, a Administração Pública observou um acréscimo menor, de 3,5%, sendo que as horas efetivamente trabalhadas por trabalhador tiveram acréscimos nos serviços (1,9%) e na construção (0,5%), enquanto a indústria e a Administração Pública apresentaram decréscimos, de 0,7% e 0,4%,
respetivamente.

Recomendadas

Portugal e Espanha terão de continuar a ter “exceção ibérica” no preço do gás

O primeiro-ministro disse que tem de continuar a haver uma “exceção ibérica” para os preços do gás mesmo que seja criado um novo mecanismo europeu, porque Portugal e Espanha continuam a ser “uma ilha” energética.

Costa contraria ideia de empobrecimento e afirma que Portugal está a crescer mais do que Alemanha, França e Espanha

Dados de Costa surgem dias depois das previsões de Outono da Comissão Europeia, cujas mais recentes previsões indicam que em 2024 a Roménia ultrapassará Portugal no ranking de desenvolvimento económico da UE.

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.
Comentários