Da ajuda estatal de milhões à cedência de ‘slots’: como vai ser a reestruturação da TAP?

A Comissão Europeia aprovou o plano de reestruturação da TAP e a ajuda estatal de 2.550 milhões de euros, sendo que a companhia aérea terá que disponibilizar até 18 ‘slots’ por dia no aeroporto de Lisboa. Perceba todos os contornos desta reestruturação.

Relacionadas

TAP: Atribuição de ‘slots’ a uma única concorrente permite concorrência eficaz, defende Bruxelas

Em causa está um dos ‘remédios’ imposto pelo executivo comunitário para aprovação do plano de reestruturação da TAP, que Bruxelas justifica, em resposta escrita enviada à agência Lusa, permitir “limitar os efeitos de distorção da ajuda no aeroporto de Lisboa, que está estruturalmente muito congestionado e onde a TAP tem uma posição forte”.

Adeus TAPzinha? 11 pontos para ficar a conhecer a nova TAP

A perda de slots no aeroporto de Lisboa, a frota, o futuro da Groundforce ou a posição de Humberto Pedrosa. Saiba como vai ficar a companhia aérea depois do plano de reestruturação ser aprovado em Bruxelas.

PNS: Groundforce só será vendida em “condições satisfatórias para a TAP”

“Não vamos ter uma TAPzinha” no final deste processo, diz Pedro Nuno Santos, numa referência aos 99 aviões que a companhia vai poder ter. E diz que nenhuma outra companhia poderia substituir a TAP em Lisboa.
Recomendadas

BNA levanta suspensão da participação no mercado cambial imposta ao Finibanco Angola

O Finibanco Angola tinha sido suspenso de participar no mercado cambial, por um período de 45 dias, pelo Banco Nacional de Angola (BNA), depois de o supervisor bancário angolano detectar incumprimentos durante uma inspecção pontual, em meados de agosto.

“Café com o CEO”. Assista à conversa com o Dr. Luís Teles, em direto a partir de Luanda

“Café com o CEO” é uma iniciativa promovida pela empresa angolana E.J.M, fundada por Edivaldo Machado em 2012, que procura dar a conhecer os líderes que estão a dar cartas em Angola e outros países da Lusofonia. Assista à sessão em direto de Luanda, capital angolana.

Rogério Carapuça: “Há que estar entre os primeiros, não ser o primeiro dos últimos”

O presidente da APDC considera que o desenvolvimento do sector das TIC se dá a um ritmo saudável apesar dos obstáculos concretos que ainda impedem o país de estar entre os melhores classificados. A capacitação e qualificação das pessoas e das empresas são desafios no topo da agenda, mas a simplificação é palavra de ordem para abandonar o paradigma da burocracia que assombra os serviços públicos, alerta Rogério Carapuça.
Comentários